Alexandre Garcia 17/03/2021 14h10

Vírus político

A prevalência de decisões com viés político prejudica a maioria dos países no combate à pandemia de Covid-19

Temos um novo ministro da Saúde, mas vai longe a esperança de despolitizar um tema que é da Medicina, não da política. As eleições do ano que vem, para presidente e governador, agravam a fusão letal do coronavírus com a política. A mistura já tem mais de ano e à medida que se aproxima outubro de 2022, alguns se exaltam, outros se desesperam. Governadores de esquerda querem formar uma frente contra o coronavírus, embora se perceba que, nesse caso, coronavírus é pseudônimo para Bolsonaro. A disputa políticoeleitoral não combate o vírus porque o alvo é outro. E a virulência política atinge, como dano colateral, vidas e emprego.

A questão não é apenas brasileira. A prevalência de decisões com viés político prejudica a maioria dos países no combate à pandemia de Covid-19. Até a OMS, que tem excelentes técnicos, também tem dirigentes que são políticos. O diretor-geral, Tedros Adhanom, é um biólogo que foi ministro da Saúde e depois ministro de Relações Exteriores da Etiópia. A Corte de Justiça de Weimar – sede da primeira república alemã –, ao declarar o lockdown inconstitucional, afirma que ele é uma decisão política, sem base na ciência.

Por aqui, volta e meia se pede CPI da Covid. Com fins políticoeleitorais. Aí pergunto: se o Congresso Nacional representa o povo brasileiro, tem 43 médicos deputados e senadores, por que eles não tomam a iniciativa de buscar soluções médicas? Por que não tomam a iniciativa de convidar seus colegas médicos que não tenham militância política como eles, para um debate nacional sem preconceitos, em busca de uma recomendação geral que se converta em lei, para combater o vírus?

Convidem, meio-a-meio, os do “fique em casa” com dipirona e os da prevenção e tratamento inicial com coquetel de medicamentos conhecidos e baratos. Que discutam e busquem luzes, imunizados da política e das eleições. A crise é sanitária, para ser tratada com a ciência e arte dos resultados e da experiência. E quando se chegar a uma conclusão, que o país a acate como política nacional, respeitando a liberdade de médicos e pacientes. Porque a solução não está na política, mas na medicina. Na política está só o problema.

LEIA MAIS COLUNAS DE ALEXANDRE GARCIA