Contra ponto 12/06/2018 22h15 Atualizado às 10h03

As pesquisas e Lula

Lula é inelegível. Investigado, processado, julgado e condenado – preso, inclusive –, sua possível candidatura é inviável

Pesquisas eleitorais têm incluído o ex-presidente Lula na lista dos presidenciáveis. E confirmado sua expressiva performance, notadamente no Norte–Nordeste, fruto da memória popular  residual de candidaturas anteriores e gestões de governo de viés populista.

A surpresa não é o bom desempenho pré-eleitoral de Lula nas pesquisas. O que surpreende e motiva indagação geral diz respeito sobre o porquê de sua inclusão na lista dos presidenciáveis.

Ora, Lula é inelegível. Investigado, processado, julgado e condenado em primeira e segunda instância – preso, inclusive –, sua possível candidatura é inviável, haja vista a vigência e eficácia da Lei da Ficha Limpa. Mas então, por que seu nome consta das pesquisas?

Do ponto de vista dos contratantes das pesquisas, suponho que haja um compreensível excesso de liberalidade e ânimo de parecer simpático e democrático. Então, objetivamente, a quem interessa criar e manter este ilusionismo (em torno de uma provável candidatura Lula) e com que objetivos?

Primeiramente, sem dúvida, interessa ao Partido dos Trabalhadores (PT), que assim mantém ativa a retórica e a mobilização de seus filiados e simpatizantes. Aliás, fundamental para viabilizar a candidatura daquele que será indicado por Lula como seu candidato preferencial, filiado ou não ao PT.

Mas em sentido contrário, a manutenção de Lula nas pesquisas (sobretudo com bom desempenho) também muito interessa àqueles que se apresentam como seus adversários mais ferrenhos.

Ao candidato Bolsonaro, por exemplo, convém estes indicadores. Quanto mais aparece e cresce o espectro Lula, mais cresce o espectro Bolsonaro. Lula/PT e Bolsonaro são, respectivamente, causa e consequência.   

Quanto aos interesses dos demais e potenciais candidatos presidenciais, a inclusão de Lula nas pesquisas (e o seu efeito colateral Bolsonaro) prejudica, distorce e adia uma percepção mais realista de suas possibilidades e viabilidades eleitorais.

Tocante aos contratantes das pesquisas, sejam jornais e/ou entidades representativas de classes sociais e empresariais, e que exigem e/ou toleram a inclusão de Lula na nominata de pesquisas, creio que tal atitude caracteriza uma irresponsabilidade e inconsequência.

Além de ignorarem a legislação eleitoral vigente, seja por excesso de liberalidade, democratismo ou demagogia, resulta que não contribuem para o apaziguamento social e o encaminhamento das atuais e vindouras demandas nacionais.
A quem mais interessa a inclusão do inelegível Lula nas pesquisas? E com que objetivo?