Contra ponto 12/02/2020 10h11

Vertigens

O comportamento de alguns líderes e governos estreita os limites entre a democracia e o autoritarismo

Fato mundial: o esgotamento da democracia. O comportamento de alguns líderes e governos estreita os limites entre a democracia e o autoritarismo. Eleitos democraticamente ou não, à direita e à esquerda do espectro ideológico, abuso de poder, estressamento sistêmico e degradação institucional são as marcas mais visíveis. 

Desde a indicação do filme brasileiro Democracia em Vertigem, na disputa do Oscar, acreditei que sua única possibilidade de vitória estaria na associação – pelos membros votantes da academia cinematográfica – aos aspectos da crise democrática mundial. Porém, essa associação temática não ocorreu!

Já o documentário Indústria Americana, que tem a coparticipação produtiva do casal Barack e Michelle Obama (EUA) – o que pode ter influenciado na sua vitória –, trata de globalização industrial e de desencontros étnico-culturais. Fatos conjugados e indicativos de que seria o favorito.

Não há no filme brasileiro coerência histórica suficiente com vários fatos que antecederam o impeachment. Distorce e omite significativas e importantes informações. Entretanto, é necessário afirmar que sua formulação não retira da autora o legítimo e absoluto direito de recontar o episódio ao seu gosto e interesse.

Na mesma semana do Oscar, circulou fora do país um texto, em inglês, subscrito por artistas e intelectuais brasileiros e estrangeiros, acerca da hipótese de atual fragilização e ameaça à estabilidade democrática no Brasil. A contar do advento do governo Bolsonaro! 

Ainda que verdadeiras as trapalhadas governamentais, a frequente linguagem deselegante do presidente e, principalmente, as pérolas de ignorância e estupidez proferidas por alguns ministros, em especial o ex-ministro da Cultura, será que evidenciam uma ameaça à democracia?

Bem ou mal, as instituições típicas do sistema democrático não estão em funcionamento, a exemplo do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, dos meios de comunicação e da livre iniciativa social e econômica? A natureza, a amplitude e a gravidade da atual crise social e econômica foram gestadas nos últimos meses ou são um produto e uma herança das gestões anteriores?

Quanto ao meio artístico e acadêmico, setores que evidenciam maior contrariedade com o atual governo, há cerceamento no exercício de sua liberdade criativa individual e coletiva? Restrições e cortes orçamentários estatais são argumentos compatíveis com a tese de crise democrática? 

Para uma discussão qualificada e consequente, faltam ao debate evidências materiais. Não superficiais. Menos pessoais. Menos grupais. O filme de Petra, assim como o tal abaixoassinado, refletem muito mais expectativas políticas e interesses pessoais contrariados.

Em resumo, ainda que legítimos o debate e a exteriorização de interesses e preferências, importa ressaltar, todavia, que sua banalização – em forma e conteúdo – contribui objetivamente para a fragilização da democracia!