CONTRAPONTO 03/02/2021 14h11

Muito hormônio, pouco neurônio

Neste momento, está no ar mais um Big Brother Brasil, o BBB 21, acredite!, um recordista mundial em longevidade

Seja por falta de opções condizentes com seu nível de inserção social e suas prováveis limitações financeiras, principalmente, resulta que o brasileiro, em sua maioria, tem na programação televisiva sua mais expressiva opção de lazer.

Mais: considerada sua baixa escolaridade e limitada consciência político-cultural, resta potencializada a respectiva audiência. Simplificando, é presa fácil e refém da banalização.

Neste momento, está no ar mais um Big Brother Brasil, o BBB 21, acredite!, um recordista mundial em longevidade da respectiva franquia. O BBB 20, por exemplo, recebeu uma premiação do Guiness World Records por haver alcançado a marca de 1,5 bilhão de votos em determinado “paredão”.

Há programas similares em outros canais. Em comum, seus diretores e respectivos anunciantes pouco se importam se alguém interpreta tais programas como casos de abuso e atraso social, e/ ou vulgarização e comércio do corpo e da sexualidade.

A cada edição sucedem-se os escândalos, às vezes objeto de ocorrências policiais e demandas judiciais. Sem contar os efeitos colaterais das aventuras sob os edredons.

É interminável a passarela de seios e bundas femininas e atléticos corpos masculinos, sejam siliconados e anabolizados ou não. Em programas mais antigos, tínhamos “celebridades” femininas que atendiam pelo nome de frutas. Lembra? Mulheres-melancia, moranguinho, jaca, berinjela, maçã e outras mais. “Das gôndolas” para as revistas e os programas de televisão. E para muito além da “dança da garrafa”.

Podemos divergir da programação por vários motivos, mas temos que admitir que há elevada audiência. Que repercute no mundo socioeconômico-cultural. Alguns participantes são (ou se autointitulam) o que modernamente denominam de digital influencer, ou seja, um formador de opinião.

A seu modo, ritmo e estilo, cada um faz o rebolation de suas razões existenciais, ideais artísticos e seus planos de carreira. Em comum, muito hormônio e pouco neurônio. Porém, atendendo a “onda do politicamente correto”, há diversidade de tipos.

Aliás, a propósito de BBB e programas similares, me ocorre a imagem de uma fictícia vovozinha na sala de estar, em frente à televisão, cercada de parentes e vizinhos, torcendo e vibrando com o desempenho da neta participante.

Irônica e contraditoriamente, ainda “ontem”, nas edições anteriores do BBB, d’A Fazenda, de Lucianas, Gugus e Ratinhos, a mesma vovó, os mesmos mamãe e papai, os mesmos vizinhos, comentavam em sonora e indignada voz acerca da “pouca vergonha alheia!”

Mas agora, exceção à regra, trata-se da possibilidade de fama e sucesso, ainda que obscurecendo a antes decantada educação familiar e o senso de pudor. Em suma, toda a nudez (e desfaçatez) não será mais castigada.

LEIA MAIS COLUNAS DE ASTOR WARTCHOW