CONTRA PONTO 10/02/2021 09h42

Dependência digital

Há uma demasiada descaracterização da essência do relacionamento interpessoal

Pode parecer jurássico, mas fico impressionado com a quantidade de pessoas que está ocupada com seus telefones celulares. Também me surpreendo com o abandono da privacidade alheia, aliás, tornada pública em detalhes e altas vozes.

Quanto assunto pendente, quanta urgência, quanta novidade para contar. O que pode ser tão importante que demande estardalhaço em público, ou que não possa esperar pelo ambiente pessoal e reservado?

Para refutar minhas suposições sociológicas, “espicho” os ouvidos para encontrar nas conversas alheias uma razão principal e urgente. Em vão. Regra geral, se confirmam a futilidade, a irrelevância e a inconsequência.

Porém, compreensível, ouso afirmar. Parece reinar uma carência de ser lembrado, de conversar, ainda que à toa, e de ser ouvido. Ser amado, provavelmente.

Mais: como se fosse para dar vazão e razão a alguma controvérsia íntima, inadiável, um sentimento retraído. Acerca da própria existência, talvez, desconfiado de que a vida é sem sentido.

E nem falamos das redes sociais, eficazes no autoescancaramento da privacidade por meio de fotos e vídeos, recheados de hábitos íntimos e relacionamentos pessoais.

Mas se cotidiano e generalizado, praticado e aceito com naturalidade e sem arrependimentos, sobretudo entre os jovens, qual é a razão dessas observações?

Ocorre que há uma demasiada descaracterização da essência do relacionamento interpessoal, um esvaziamento de valiosos sentidos humanos.

A propósito, vale recordar uma manifestação famosa, creio que em 2009, na Universidade da Pensilvânia (Estados Unidos). O então presidente do Google, Eric Schmidt, na ocasião palestrante, disse aos graduandos:

– Que as pessoas de sua geração passavam a vida tentando esconder seus momentos embaraçosos, enquanto que a geração atual grava e publica esses momentos no YouTube. Disse mais:

– Desliguem os seus computadores. Vocês precisam mesmo desligar seus telefones e descobrir tudo que há de humano à sua volta.

Em resumo, parece que a sugestão do senhor Eric perdeu-se ao vento. Ou ainda haverá tempo para recriarmos as relações humanas, de modo que sejam mais reais e menos virtuais?

LEIA MAIS COLUNAS DE ASTOR WARTCHOW