CONTRAPONTO 07/04/2021 18h19

Complacência e pânico

Políticos que nunca pensaram na ciência da epidemiologia são subitamente empurrados para os papéis de especialistas e profetas

Também conhecido pelo pseudônimo Theodore Dalrymple, o britânico Anthony Daniels (1949) é um médico psiquiatra, escritor e colaborador do City Journale do Manhattan Institute (New York-EUA).

Em março de 2020(!), escreveu dois textos sobre a Covid-19, o protagonismo da China e o fim da Europa como liderança e modelo para o mundo. A seguir, destaco alguns poucos parágrafos do seu longo texto intitulado “Entre Complacência e Pânico” (https://lawliberty.org/between-complacency-and-panic/).

“A primeira baixa da guerra é a verdade. É também a primeira baixa de epidemias. Quando epidemias graves fazem sentir sua presença, uma dialética entre complacência e pânico é criada na mente do público e da classe política. 

Somente após o fim da epidemia pode-se fazer uma avaliação adequada se muito ou muito pouco foi feito para detê-la. Uma vez que a vida é vivida para a frente e não para trás, é apenas com retrospectiva que o que teria sido a resposta certa torna-se claro; mas, se a epidemia matou um grande número de pessoas, a recriminação é quase inevitável.

Políticos que nunca pensaram na ciência da epidemiologia antes são subitamente empurrados para os papéis de especialistas e profetas, ao mesmo tempo em que têm que ficar de olho em suas classificações nas pesquisas de opinião.

Se admitirem sua ignorância, são acusados de falta de previsão e liderança; mas, se eles fizerem pronunciamentos definitivos, eles logo serão contrariados por seus oponentes, se não pelos próprios fatos. 

O erro não é o mesmo que tolice ou maldade, é claro, embora em situações terríveis muitas vezes seja tratado como se fosse. O desejo, então, de um bode expiatório é quase avassalador. Parece que a epidemia é indistinguível de uma campanha eleitoral. 

Há, portanto, um grão perturbador de verdade na afirmação de que alguns políticos não ficariam completamente arrependidos de ver a epidemia se espalhar, pelo menos se espalhar o suficiente para virar a população contra a administração.

O desejo de poder distorce a escala de valores de todos, seja qual for o partido a que pertencem. Esta, infelizmente, é a condição humana, e mesmo o autoritarismo ou uma ditadura só pode esconder ‘as rachaduras’ por um tempo.

No entanto, as epidemias não se passam para sempre, e quando esta epidemia acabar, é provável que, pelos padrões da catastrófica gripe espanhola(1918-1920), ela se mostre relativamente menor. 

É sempre possível, no entanto, que a próxima epidemia de um novo vírus seja pior, de modo que a dialética da complacência e do pânico continue.”

LEIA MAIS COLUNAS DE ASTOR WARTCHOW