Da terra e da gente 19/11/2019 11h01 Atualizado às 11h05

Sons e sabores alemães

A ocasião serviu para reforçar a necessidade de ampliarmos cada vez mais a presença da cultura alemã, determinante para crescer no turismo

Ecoam ainda os belos sons da banda alemã Hunsrücker Bloosmusik, que passou aqui pela Gazeta, fez concorridas apresentações na Igreja Evangélica Centro e na Praça da Catedral (ou do Chafariz, como destaca a associação Apriz), além do Restaurante da Gruta. A boa receptividade ao grupo musical alemão, vindo da região que enviou muitos imigrantes a Santa Cruz, confirma o que já expressei em momento anterior, de que precisamos retomar uma presença maior de tais orquestras, inclusive na Oktoberfest, com o que acenou positivamente o presidente da última edição, Enio Wermuth, que encontrei na praça. O momento foi muito representativo, ainda recheado de muito calor humano, de elevação da cultura alemã que caracteriza a nossa gente e completado com um gostoso chope aqui fabricado (por descendentes alemães, os Humburger).

 A ocasião serviu para reforçar a necessidade de ampliarmos a presença desta cultura, sob os mais diversos aspectos, o que sem dúvida é determinante para quem pretende cada vez mais crescer no âmbito do turismo. Além de muitos produtos e ações que já se destacam, diante da proximidade do Natal, surgiu a ideia de se dar mais atenção a um produto típico alemão de Natal, que pudesse atingir entre nós a mesma fama que já possui o panetone italiano, se passasse a ter mais divulgação e consumo. Trata-se do Stollen, uma cuca ou bolo de Natal que faz parte das festas de fim de ano em toda Alemanha.

 A sugestão partiu de mais um que se dedica a divulgar a cultura germânica em nosso meio, seu “Helmuth da Silva”, nome adotado por Cláudio Schulz para esse fim, onde por vezes contracena em vídeos com o amigo Elmo Staub, como Hans e Helmuth, contando casos engraçados do interior. Sem querer divulgação de seu nome, achou importante informar mais o público santa-cruzense sobre o produto, pois diz que em sua casa o faz todo ano, depois de provar pela primeira vez o Stollen preparado pela professora e doutora Lissi Bender (muito dedicada a tudo que diz respeito à cultura alemã), e até indicou que, se vingar, seria uma alternativa futura para nossa Copame, que hoje oferece com sucesso o panetone.

 Pois, agora no programa dos 170 anos de imigração alemã em Santa Cruz do Sul, evento da própria Lissi (Projeto Língua & Cultura, dia 04/12, 19h30, Rotary Cidade Alta em Linha Santa Cruz), ela pretende mostrar novamente o preparo do Weihnachtsstollen. A receita está inserida em um de seus livros sobre culinária alemã (Forno e Fogão para dias festivos – Kochen und Backen für feierliche Tage, Edunisc), que fica como dica para quem quiser prestigiar costumes alemães neste final de ano, sem esquecer o livro de crônicas da colônia alemã que lançarei, também na Linha Santa Cruz, em um mês, 19 de dezembro, data da chegada dos imigrantes.