Cavalo de Lata agora é ONG

31/08/2017 14:36:18
Foto: Ana Paula Knak

A caminhada em favor da sustentabilidade e da causa animal do Projeto Cavalo de Lata começou em dezembro de 2012, em Santa Cruz do Sul. A ideia é usar um carrinho elétrico para substituir as carroças e seus cavalos no sistema de tração, potencializando a coleta seletiva no meio urbano. Este ano, o casal de idealizadores da iniciativa, a publicitária Ana Paula Knak e o engenheiro Jason Duani Vargas, comemora mais uma vitória. Desde maio, o Cavalo de Lato conquistou enquadramento como Organização Não Governamental (ONG).

“Agora estamos aptos a buscar recursos através de parcerias público-privadas e até mesmo captar recursos do imposto de renda”, explica Ana Paula, que ressalta ainda a maior credibilidade na prestação de contas. Hoje, tramita junto ao poder executivo uma proposta para que a ONG Cavalo de Lata possa prestar serviços de resgate de animais de grande porte no município. “Nosso principal objetivo é libertar o sistema de tração e gerar novas oportunidades aos catadores de lixo reciclável e aos menos favorecidos”, justifica.

O trabalho realizado é feito de forma voluntária e com recursos doados pela comunidade. “Acreditamos que um mundo melhor só se legitimará com a participação de todos”, pondera. O longo dos anos, o engajamento e luta em favor da causa chamou a atenção de simpatizantes de cidades de todo Brasil, que buscam se espelhar no projeto para estruturar leis de redução de carroças e buscar novas possibilidades para a coleta seletiva em suas regiões e estados. “Contabilizamos mais de 50 gestores que visitaram nossa rotina para levar informações para suas cidades.”

Segundo Ana Paula, a atuação do Cavalo de Lata é ampla e vai além da causa animal, agregando ainda questões ambientais e sociais; “Realizamos um trabalho expressivo nos bairros, atendendo principalmente os recicladores, que ainda usam carroças. Negociamos oportunidades de novos postos de trabalho formais e abastecemos as famílias com itens de necessidade primária, indenizando o cavalo e a carroça e auxiliando na transição para uma nova vida”, conta. O movimento é para que haja um recomeço, longe das carroças, e capaz de garantir subsistência.

Uma rotina de perseverança
O engenheiro Jason Duani Vargas explica que a rotina da ONG Cavalo de Lata consiste na abordagem dos carroceiros nas ruas, quando são oferecidas novas oportunidades. “A grande maioria aceita a ideia de ter um novo trabalho”, explica. A partir desse consentimento, os voluntários abastecem a família com rancho, material de limpeza, roupas, utensílios domésticos e as crianças recebem brinquedos e material escolar. “Buscamos oportunidades junto a empresas da cidade, que absorvem essa mão de obra, garantindo um salário fixo, com carteira assinada.”

De acordo com Vargas, com carroça o catador ganha em média R$ 500,00 mensais, que utiliza para sustentar sua família. “Eles não vivem, apenas sobrevivem”, lamenta, ressaltando a necessidade de as empresas abrirem suas portas para essa importante transição. No processo, o cavalo é indenizado e recolhido junto com a carroça, que é inutilizada. Os animais são encaminhados para uma das três chácaras cadastradas para fazer o atendimento. Nesses locais, os equinos recebem alimentação reforçada, casqueamento, vacinas e todo atendimento veterinário, além de muito carinho dos voluntários.

Saiba como ajudar
Todo trabalho realizado pela ONG Cavalo de Lata é feito de forma voluntária e com recursos doados por pessoas e empresas, que podem deixar valores em agropecuárias para compra de ração, feno e medicamentos. Também é realizado um bingo mensal, toda primeira quarta-feira do mês, além do bazar itinerante nas praças da cidade para venda de itens novos e usados. Em setembro, no dia 3, será promovido um curso de reiki, com ênfase em animais, cujos recursos arrecadados serão utilizados para compra de um reboque para os resgates.

Quem quiser colaborar com a causa, pode se tornar um doador mensalista, com apoio a partir de R$ 10,00. A ONG sempre precisa de donativos para alimentação para os animais, ranchos e itens de higiene para as pessoas, brinquedos e material escolar para as crianças, e objetos e roupas para as vendas do bazar. As empresas também podem apoiar projetos complementares nas áreas de educação e meio ambiente que a entidade está buscando parceiros para iniciar. Para saber mais sobre o trabalho realizado e se engajar, acompanhe as atualizações no perfil do Cavalo de Lata no Facebook. O telefone de contato é (51) 99993-1805.

Postado por MICHELLE TREICHEL- michelle@gazetadosul.com.br
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações