O que fazer com o 13º salário e outras verbas extras?

30/11/2018 16:23:39
Foto: Divulgação

Fim de mais um ano e início de outro. É tempo de festas, presentes, viagens, férias e,  também,  de dinheiro extra nas contas bancárias ou, em espécie, no bolso de milhões de brasileiros. Além de bônus, participação em lucros, gratificações, tem o 13º salário! É uma montanha de dinheiro que, além  de fazer a alegria dos beneficiários, vai aumentar o movimento do comércio, indústria, serviços, etc. Até o fim do ano, de acordo com dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o benefício só do 13º salário deve injetar R$ 211 bilhões na economia brasileira. De acordo com o mesmo Departamento, nos municípios do Vale do Rio Pardo serão R$ 224,5 milhões.

Em matérias de jornais ou reportagens de rádios e tvs, a maioria dos economistas ouvidos recomendam, em primeiro lugar, pagar as dívidas. Esses especialistas ainda estão presos à teoria econômica clássica que diz que os agentes econômicos – que são essencialmente as pessoas – são  seres totalmente racionais, capazes de tomar as decisões mais eficientes com base nas informações disponíveis, e não levam em conta ou ignoram a economia comportamental que explica que não agimos só por razão, mas, principalmente, por emoção. Boa parte dos beneficiários só pensa nisso também. Afinal, a maioria das pessoas de bem não gosta de ficar devendo. Muitas vezes, não tem jeito mesmo, a pessoa precisa liquidar pendências, às vezes vencidas há bastante tempo, sob  risco de enfrentar problemas maiores. 

LEIA MAIS: Região receberá R$ 224,5 milhões com o 13º salário

Mas será que as verbas extras, principalmente o 13º salário, foram instituídas para pagar dívidas? É evidente que não. Reinaldo Domingos, educador financeiro e mentor da DSOP Educação Financeira, acha compreensível e até elogiável essa disposição das pessoas em pagarem logo o que devem, mas não deixa de ser um grande erro. Aliás, mostra que a pessoa ou família estão gastando mais do que sua renda normal permite. Dinheiro extra não deveria ser utilizado para quitar dívidas, pois o correto é planejar e ter dívidas que caibam no orçamento mensal. O 13º e outras verbas extras são valores a serem recebidos como um presente; uma parte deveria ser utilizada para realizar sonhos e objetivos, além das despesas próprias de fim de ano, como presentes, festas, viagens, etc.; outra, para poupar e aplicar em algum investimento, proporcionando uma renda extra e reserva financeira para o futuro.

Foto: Divulgação

Ao receber o 13º salário e outra verba extra qualquer, a pessoa deve, antes de qualquer coisa, fazer um  diagnóstico ou análise de sua situação financeira. Durante um mês - se tiver renda fixa – ou três meses – se a renda for variada – anotar todos os gastos, desde o valor de um simples cafezinho até a prestação do carro ou da casa. É evidente que, agora, não dá tempo para fazer isso da forma recomendada, mas, levando em conta despesas já previstas durante o mês, permite saber qual a situação financeira atual. Ao mesmo tempo, fazer um levantamento das dívidas, levando em conta os encargos que elas carregam (juros mais altos, multas), prazos de vencimento, possibilidade de ter que entregar o bem ou até corte de serviços, como da energia elétrica. A partir daí, tentar negociar esses valores com os credores, usando, então, as verbas extras para pagar parte ou tudo o que deve.

Com relação à definição da prioridade do pagamento de dívidas, a recomendação mais frequente é pagar primeiramente as contas  que carregam juros mais altos, como o cheque especial ou o cartão de crédito. Entretanto, pior que pagar juros mais altos é ficar sem algum serviço básico, como energia elétrica, ou, em situação mais difícil, sem a  casa, por falta de pagamento do aluguel ou do financiamento. Por isso, mesmo com juros menores, essas contas devem ser priorizadas.

Quem já recebeu, antecipadamente, as verbas extras de fim de ano, na própria empresa ou na instituição onde trabalha, ou, ainda, ofereceu o 13º salário  como garantia para pagamento de algum empréstimo específico de banco,  não tem o que fazer. Em muitos casos, essa antecipação pode ter sido vantajosa, principalmente para quem  estava endividado,  pagando taxas mais altas de juros, ou sujeito a perder seu bem por falta de pagamento de parcelas. 

Entretanto, quem fez uso do recurso da antecipação ou está com contas atrasadas deve, pelo menos, fazer uma reflexão para saber porque ficou em situação de endividado ou até inadimplente. Foi por necessidade, algum imprevisto, falta de planejamento, precipitação ou consumismo?  É uma recomendação que raramente se ouve ou se lê por aí, mas, a  partir da resposta a cada um desses motivos – e outros que possam ocorrer -,  comprometer-se a iniciar e fazer um ano novo diferente, com educação financeira.

Foto: Divulgação

Por fim, cada pessoa usa o 13º salário ou outra renda extra como bem entender. Existem “n” maneiras de gastar ou investir esse dinheiro extra. Entretanto, mais importante do que seguir algumas orientações de como gastar melhor essas verbas é aproveitá-las para iniciar a construção de um futuro financeiro mais tranquilo, separando parte para os sonhos. Claro, para algumas pessoas talvez o maior sonho atual seja quitar uma dívida. Perfeito, desde que não assuma novas dívidas que não cabem em seu orçamento. É importante perceber que a relação com dinheiro não pode ser meramente matemática – de fato, não é! -, mas comportamental. Viver em função do dinheiro, só querendo ganhar mais para poder comprar mais coisas, é esquecer-se que o dinheiro é apenas uma ferramenta para realizar sonhos e não o objetivo principal da vida.

 

Postado por
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações