REDES SOCIAIS - Influência nas finanças pessoais e familiares

30/05/2019 15:52:13
Foto: Divulgação

Passados vários anos, desde o final da década de 1990, quando a internet começou a se popularizar no Brasil, estamos vivendo cada vez mais a massificação do acesso às redes sociais, principalmente através do telefone celular. Trata-se  de  mais um ambiente da vida social das pessoas, cada vez mais rápido e mais abrangente que os contatos pessoais.  Na internet, as pessoas se relacionam, criam, discutem, xingam, compartilham e consomem coisas, refletindo os valores individuais e coletivos.

Hoje, não se pode mais ignorar a influência das redes sociais. Nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016, surgiram muitas polêmicas sobre possível  uso das redes sociais para influenciar na votação, que teriam sido deflagradas por grupos patrocinados e ligados à Rússia. Aqui no Brasil, uma das maiores preocupações dos especialistas e da Justiça Eleitoral, nas eleições do ano passado, era o quanto o fenômeno das FakeNews poderia  influenciar no resultado final das urnas. Muito se falava sobre a possível reedição de fatos que ocorreram nos Estados Unidos.

Homens e mulheres caminhando nas ruas de cabeças baixas, casais sem conversar sentados lado a lado e crianças em silencio absoluto em mesas de restaurante, todos com os dedos frenéticos e os olhos vidrados na tela de aparelhos de comunicação, desde um simples telefone celular até equipamentos mais sofisticados. Dependendo do grau de uso, o celular pode causar problemas na vida pessoal e profissional,  principalmente nos locais de trabalho,  onde o uso exagerado, de interesse particular, é causa de distração e perda de tempo,  e certamente vai  prejudicar a execução  de tarefas. Em grau mais intenso,  gera dependência química como qualquer droga. Muitos criam um comportamento obsessivo-compulsivo com o celular e precisam ser tratados como viciados.   

É fato que as novas tecnologias interferem de maneira radical nas relações sociais. A exibição de fotos de viagens, da vida amorosa, do sucesso profissional,  até da comida e bebida da  última refeição,  etc. podem provocar inveja e causar sentimentos de infelicidade e solidão, segundo pesquisadores alemães. Tanto assim que um estudo recente da Universidade de Califórnia, nos EUA, e da Universidade de Toronto, no Canadá, mostra que as pessoas estão gastando mais e economizando menos porque só veem o que os outros estão fazendo, comprando e consumindo, e não o que estão poupando. Isso gera uma percepção equivocada, chamada de viés de visibilidade. Quando alguém visita um  amigo, é possível  notar que  ele esteja  usando roupas simples, talvez até  “surradas”, em contraste com as fotos postadas  no perfil da rede social, onde aparece com roupas elegantes, talvez até de famosas grifes.  Isso significa que qualquer tipo de comunicação que não seja de pessoa para pessoa vai criar um viés de visibilidade maior.

Esse viés da visibilidade pode explicar porque as taxas de poupança pessoal,  nos EUA e outros países, estão caindo  e, no Brasil, não chegaram a decolar, mantendo-se  em níveis baixos. Se não esbanjassem tanto em itens desnecessários, as pessoas poderiam economizar dinheiro ou usá-lo  para coisas mais práticas, como, por exemplo,  reformar a casa.

O aumento da  percepção sobre o que as outras pessoas estão fazendo não apenas nos faz gastar mais, como, também, nos leva a suposições equivocadas sobre nossa própria situação financeira e perspectivas de ganhos futuros. É o efeito dominó que leva outras pessoas a fazerem  não necessariamente que sintam vontade para isso. Claro que o padrão de consumo já existia antes das redes  sociais, mas vendo as pessoas  de seus relacionamentos  consumindo coisas, a tendência é a consumir mais também.

Antigamente se dizia “diga-me com quem andas que eu te direi o quanto gastas”. Vira e mexe o amigo exibe aquele celular novo, um novo plano de acesso a infinitos canais de televisão, aquela fantástica promoção que pode ser paga em trocentas novas prestações... Enfim, aquele “formigamento espontâneo na mão” que convida  a pegar o cartão de crédito  e mandar ver. Por isso, um dos objetivos do estudo das Universidades, citadas anteriormente, é tornar as pessoas mais conscientes sobre seus gastos, alertando-as do cuidado  que precisam ter  para não se deixarem levar pelas “bolhas” das diversas redes sociais, em que participam. Em qualquer situação e, principalmente, quando se trata de dinheiro, as pessoas precisam olhar para a sua realidade pessoal e familiar, nada a ver,  portanto, com  a realidade aparente dos integrantes  das  redes sociais.

Postado por Francisco Teloeken- francisco.roque@viavale.com.br
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações