Asma atinge 20% das crianças

03/09/2019 09:53:34
Foto: Divulgação

Conhecida também como bronquite, bronquite asmática, entre outros nomes, a asma atinge cerca de 20% das crianças do Brasil. Por ano, são 2 mil mortes de adultos e crianças, e a falta de informação é um dos fatores que mais contribuem para os óbitos por asma, doença respiratória que está entre as mais prevalentes do mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que 235 milhões de pessoas sofram de asma.

Caracterizada pelo chiado no peito, tosse e falta de ar os especialistas a classificam como controlada ou não, e de difícil tratamento ou com pouca resposta. Diz-se que é considerada de difícil tratamento quando o paciente não aceita o uso das bombinhas, tem medo de usar corticoide, devido aos efeitos colaterais, e isso faz com que a pessoa não observe o tratamento.

“Além de dificultar o tratamento, a doença fica sem controle, ou seja, a asma pode impedir que a criança deixe de realizar as suas atividades cotidianas, como ir à escola, jogar bola, correr, já que a falta de ar incomoda muito”, comenta o coordenador do Departamento Científico de Asma da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), Flávio Sano.

A participação ativa do médico nesse acompanhamento é fundamental, já que é muito importante explicar para a família o que é a doença, que tipo de terapia a criança vai usar, qual medicamento vai receitar, e o que se espera do tratamento. Só assim, pais e mães estarão seguros para administrar a medicação e retornar ao consultório para contar como foi o período de cuidados, que mudanças precisam ser feitas, até que o paciente esteja controlado e tenha uma boa qualidade de vida.

“A asma também pode ser desencadeada pelo esforço. A criança brinca, corre pela casa e, de repente, começa o chiado, a tosse. Há prevenção e tratamento com medicamentos adequados para essa situação. Não tenha medo do nome asma: ela só precisa ser identificada e tratada”, explica Sano.

Asbai

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia existe desde 1946. É uma associação sem finalidade lucrativa, de caráter científico, cujo objetivo é promover o estudo, a discussão e a divulgação de questões relacionadas à Alergologia e à Imunologia Clínica, além da concessão de Título de Especialista em Alergia Clínica e Imunologia a seus sócios, de acordo com convênio celebrado com a Associação Médica Brasileira. Atualmente, a ASBAI tem representações regionais em 21 estados brasileiros.

P { margin-bottom: 0.21cm; }

Postado por MICHELLE TREICHEL- michelle@gazetadosul.com.br

Comentários postados:

Ricardo Felli
03/09/2019 22:45:19
Boa noite Michelle. Buscando um gancho em sua matéria, sem maiores compromissos e como sugestão, não seria oportuno verificar com órgãos como Promotoria Comunitária, por exemplo, a qualidade do ar de Santa Cruz do Sul, pois é incrível a incidência de bronquite e rinite em crianças, órgãos de saúde lotados de pessoas com algum problema respiratório, inclusive eu e minha filha, em tratamento com leve sinusite e bronquite pela 2ª vez este ano. Tenho observado que, com uma população em torno de 130 mil habitantes e +/- 90 mil veículos registrados, é de se considerar que algo está diferente. Moro no Centro e sinto muito o efeito da poluição de alguns veículos sem provável manutenção, fato gerador de danos à saúde, principalmente respiratório. Perfeito seu texto, voltado às crianças, mas nós adultos também estamos sujeitos ao fato. Quem sabe uma fiscalização maior e em breve, um sistema de rodízio de placas? Apenas sugestão para melhor qualidade de vida. Perdão por algum mal entendido, atenciosamente, Ricardo.
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações