ASSEMBLEIA 26/03/2020 18h12 Atualizado às 20h39

Adolfo Brito cobra do governo federal medidas contra a estiagem

Ofício pede imediata prorrogação e repactuação de dívidas de crédito agropecuário

Em virtude dos reflexos da escassez de chuva e os prejuízos que aumentam diariamente aos produtores e, consequentemente, aos municípios do Rio Grande do Sul, o presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, deputado Adolfo Brito, encaminhou nessa quarta-feira, 25, um ofício ao presidente Jair Bolsonaro, à Ministra da Agricultura, Tereza Cristina e ao coordenador da bancada gaúcha na Câmara Federal, deputado Giovani Cherini.

No documento, o parlamentar pede por ações efetivas que atenuem as consequências da estiagem. Entre outras demandas, o deputado destaca a necessidade de atendimento imediato da prorrogação e a repactuação de dívidas de crédito agropecuário. O ofício ainda pede a criação de linha de crédito emergencial para agricultores, objetivando um capital de giro e a disponibilização de forma urgente de recursos para subsistência da pequena propriedade rural, dando especial destaque para ações que atendam o custeio do fornecimento de água potável, inclusive com locação de caminhões-tanque, para prefeituras e produtores, viabilizando o consumo humano e animal.

LEIA MAIS: Prefeitura de Sobradinho mantém ações contra a estiagem

O gabinete da presidência já respondeu o ofício, informando que o documento foi avaliado e encaminhado ao Ministério da Economia e à Secretaria de Governo da Presidência da República para estudo das ações a serem adotadas.

A Comissão de Agricultura já encaminhou cópia dos documentos a todos os sindicatos de trabalhadores rurais do Estado, sindicatos rurais, Famurs, Farsul, Fetag e outras entidades ligadas ao setor. “Apesar do grande foco no momento ser a luta contra esse vírus que atingiu o mundo todo, estamos muito preocupados, também, com a situação da estiagem e, por isso, continuamos insistindo nas demandas dos agricultores”, afirmou Brito.

LEIA MAIS: Sobradinho registra primeiros casos suspeitos de coronavírus