Centro-Serra 23/06/2020 16h02 Atualizado às 16h17

Recurso é negado e bandeira laranja na região 27 é mantida

Solicitação para voltar à bandeira amarela foi enviada por prefeituras após a atualização do modelo de Distanciamento Controlado do Estado

O pedido de recurso para a volta à bandeira amarela, enviado pelos municípios do Centro-Serra que integram a região 27, de Cachoeira do Sul, no modelo de Distanciamento Controlado foi negado pelo Governo do Estado. Em entrevista ao programa Giro Regional da Gazeta FM 98.1, na manhã desta terça-feira, 23, o secretário de Administração de Sobradinho, Diego Batista, e o secretário de Saúde, Nilo Wietzke, destacaram que, com isso, deverão ser observadas as novas restrições.

Conforme Batista, foi solicitada uma reconsideração, que não foi acolhida pelo Governo do Estado, o que segundo ele, é uma injustiça, já que alguns municípios que integram a Região 27, até o momento, não confirmaram nenhum caso de Covid-19.

LEIA MAIS: Sobradinho integra região com bandeira laranja em nova atualização do Estado

O secretário da Administração salientou que, além de ser um ponto de advertência, estando a um passo da bandeira vermelha, o que muda é o percentual de operação de alguns tipos de empresas, por exemplo, restaurantes e lanchonetes que antes trabalhavam com 75% da ocupação, agora deverão trabalhar com 50% da capacidade. “As empresas da região não aglomeram muitas pessoas no mesmo local, mesmo nas fábricas tem bastante espaço, os pavilhões são grandes. Continua sendo necessário manter o distanciamento, tomando as medidas necessárias de higienização”, disse.

Segundo Wietzke, é preciso ter atenção, já que a região ficou mais próxima da bandeira vermelha. Ele enfatizou que não consegue compreender por que algumas pessoas não fazem o uso da máscara durante o final de semana, reforçando que é preciso ter cuidado para não levar o vírus para os familiares.

LEIA MAIS: Risco médio: o que muda com a classificação de bandeira laranja

Batista ainda salientou que existem pessoas que ainda não foram beneficiadas com recursos para enfrentar a pandemia, como os representantes do transporte coletivo. Segundo o secretário, muitas vezes a Administração Municipal fica de “mãos amarradas” e não tem como auxiliar.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS