happy hour 10/06/2018 22h49 Atualizado às 10h34

O rebanho católico

O padre sabia de cor e salteado os nomes daqueles que falhavam no seu compromisso dominical

Nasci no final de 1950 em Trombudo. Os costumes de nossos ancestrais estavam consolidados e esses ensinamentos eram naturalmente repassados de pai para o filho. Obedientes, não contestávamos essas verdades.

A minha família era católica. A maioria professava essa religião. O padre era considerado uma pessoa essencial na vila. Nas reuniões mais importantes da localidade, participava com desenvoltura das decisões. A autoridade era exercida pelo médico, escrivão, farmacêutico, padre, subprefeito e o comerciante mais forte. Mais tarde surgiu a figura do pastor da igreja protestante.

A Igreja Católica exercia uma liderança muito forte, que regrava os costumes de seu rebanho. As nossas atitudes em sociedade eram regidas pelos seus mandamentos. Domingos eram sagrados. Trabalhar nesse dia era expressamente proibido, exceto tratar os animais, ordenhar as vacas. O pasto já deveria ser colhido no sábado. Os sinos da Igreja São José orientavam os fiéis. Dependendo do toque, ficava-se sabendo se havia morrido um homem, uma mulher ou criança. Porém, no início e fim das missas ou nos casamentos, o toque era solene, quando todos os sinos emitiam o som de uma só vez. O sino transmitia alegria ou tristeza.

Os católicos tinham obrigação de assistir às missas de domingos. O padre sabia de cor e salteado os nomes daqueles que falhavam no seu compromisso dominical, um pecado a ser confessado. Antes das missas, o padre ficava no confessionário e ouvia os pecados dos fiéis e dava-lhes a “sentença” conforme a gravidade da falha. O pároco conhecia as fraquezas e as virtudes de todo seu rebanho.

As famílias dos colonos alemães eram numerosas. Ter nove, dez, 12 filhos era comum. Quanto maior a prole, mais se poderia plantar: a mão de obra estaria garantida nas colheitas. Porém, os filhos mais novos eram obrigados a frequentar a escola até completarem o primário. A maioria ficava por aí mesmo, já que não existiam as escolas de segundo grau em Trombudo.

As numerosas famílias católicas tinham o maior orgulho se um dos seus filhos fosse estudar para padre. O pároco exercia uma liderança enorme na escolha desses jovens. Desde pequenos eram monitorados na escola e na própria paróquia.

Tinham que demonstrar inteligência nos estudos e também gostar de ajudar nas missas, como sacristão. Não era só isso, precisaria decorar as suas falas em latim para que soubesse dar as respostas corretas ao padre no ritual latino das missas. O religioso ficava de costas para o público e suas preces eram feitas em latim. Coitados dos fiéis! Ficavam a ver navios. Não entendiam patavinas.

Fui sacristão do padre Emílio Backes em Trombudo. Ainda bem que não aprendi latim. A Santa Igreja Católica livrou-se de um medíocre padre!