HAPPY HOUR 14/09/2020 17h46

Fique em casa

Ainda bem que levo na esportiva essa situação. Mau humor e receio fazem mal à saúde

Vou interromper nessa semana as histórias das viagens que escrevo duas vezes por mês na coluna. Gostaria de falar de alguns fatos que presenciei, li e assisti na TV.

Cheguei à conclusão de que os humanos são metódicos, com esse ensinamento de “ficar em casa” para as pessoas de risco. Tenho diabetes, controlado pela alimentação, e tomo remédios para a pressão; a minha situação ficará difícil caso pegue esse vírus. Ainda bem que levo na esportiva essa situação. Mau humor e receio fazem mal à saúde.

Ainda bem que recebemos todos os nossos familiares e netos nos fins de semana. O churrasco é tradicional nos domingos, porém os netos nos visitam com mais frequência durante a semana. É proibido o uso de máscaras. Aliás, antes do vírus chinês, mascarado era só o bandido que assaltava as pessoas ou empresas. Os tempos mudaram.

A minha filha biomédica, nosso anjo da guarda de casa, finalmente conseguiu um emprego no laboratório do Hospital Bruno Born, de Lajeado, e nos fins de semana estuda na Universidade de Novo Hamburgo, onde faz pós-graduação. Ainda bem que é eficiente e estudiosa. Enquanto isso, agora viramo-nos nas compras em supermercados, que era tarefa dela, além de manter o pai sob vigilância constante, já que é rebelde e gosta de liberdade.

Os meus amigos da cerveja agora se reúnem por videoconferência. Cada um senta-se diante do computador, abre sua cerveja preferida, copo e guardanapo e conta as novidades da semana. O tempo é determinado pelo número de cervejas ingeridas, limitadas a três.

O Gordinho diz que está vendendo mais carros nessa época de crise. Disse que o auxílio de R$ 600,00 distribuído pelo governo ajudou muito a alavancar os briques. Seus carros não têm garantia. Está receoso com o governo, que quer cobrar IPVA dos carros mais antigos e pode prejudicá-lo na sua comercialização futura.

Outro amigo contou que se separou da esposa, depois de 55 anos casados. Pegou suas roupas e outros objetos pessoais e foi morar sozinho em um apartamento de um quarto, lamentou-se.

Relatou que faltava água nas torneiras. Tinha um vazamento na casa quase insolúvel e, antes de sair, fechava o registro geral. Diversos especialistas foram contatados. Outro dia, alguém da Corsan trouxe um aparelho que auscultava o encanamento e não encontrou o vazamento. Depois de uma semana, repetiu o procedimento e achou o furo da bala, ou melhor, do cano. Era algo insignificante, mas causou uma tragédia na família: a separação do casal. Talvez um dia retorne ao lar, é a esperança do infeliz esposo. Porém, com uma condição: que o banho seja breve.

Na política continua tudo igual. Até o vírus foi politizado, com o apoio de parte da imprensa. Quando iniciam os jornais nacionais, troco de canal. Pelo menos tenho o controle remoto, que é democrático.

Oxalá logo, logo surja a vacina e possamos voltar à normalidade da nossa convivência social!

LEIA TODAS AS COLUNAS DE CLÓVIS HAESER