Futsal 23/12/2017 10h43 Atualizado às 10h40

Daniel Feitosa curte o descanso em Santa Cruz do Sul

Ala com passagem pela Assaf celebra grandes momentos da carreira, como a primeira convocação para a seleção brasileira

A temporada de 2017 foi especial para o ala Daniel Feitosa. Jogador da Assaf em 2013, ele é casado com a santa-cruzense Natália Beckenkamp Rebechi e passa férias na cidade. Aos 25 anos, o atleta tem motivos para comemorar o melhor momento da carreira. Neste ano, ele foi convocado para a seleção brasileira pela primeira vez – inclusive marcou um gol com a amarelinha – e o seu clube atual, o Foz Cataratas, de Foz do Iguaçu, terminou na terceira colocação da Liga Nacional de Futsal.

“Foi um ano muito gratificante. Essa convocação agregou muito, e eu fico feliz em representar o País e ter feito uma boa temporada pela minha equipe”, celebra Feitosa, que não esconde a alegria por ter sido chamado pelo técnico Marquinhos Xavier. “É uma euforia muito grande. A gente sabe da dificuldade que é. Como sou paraibano, é um pouco mais difícil você demonstrar seu trabalho. Comigo foi diferente. Eu tive a sorte de receber várias oportunidades e consegui abraçá-las”, vibra o atleta. O gol na estreia pela seleção foi assinalado na vitória de 5 a 1 sobre a Costa Rica, em jogo amistoso no mês passado, em Cuiabá.

Junto com a chance de estar entre os melhores jogadores do Brasil, Daniel Feitosa realizou outro sonho: o de atuar ao lado do craque Falcão, o melhor do mundo, que está prestes a se aposentar da seleção. “Espero que não seja o final dele ainda, porque tem muito ainda para nos ajudar no esporte. Consegui jogar do lado desse cara, desse ídolo. Ele é o rei, o maior de todos. Vou tentar manter o bom momento para estar sendo lembrado novamente”, planeja.


Com orgulho, Daniel Feitosa exibe a camisa da seleção que vestiu neste ano
Foto: Divulgação

 

Goleiro leva o amigo ao Foz

Daniel Feitosa estava acertado para defender a Intelli, de São Sebastião do Paraíso, mas acabou indo para o Foz Cataratas, que fez sua estreia na Liga Nacional de Futsal neste ano, por influência do amigo e goleiro Gian Wolverine – que agora voltou à ACBF, de Carlos Barbosa. “Ele entrou em contato, falando que iria para o Foz e queria contar comigo no grupo. Ele me passou o contato do presidente Adélio, que é um grande homem, um grande amigo. Acho que isso realmente pesou na minha ida para o Foz”, explica o ala.

A persistência é peça-chave para o sucesso em qualquer profissão, raciocina Feitosa. “No futsal, a dificuldade é um pouco maior, por falta de oportunidades. Lá em cima (na Paraíba) não tem tanta estrutura na base como aqui pelo Sul. Com muita dedicação, você nunca pode desistir dos seus sonhos e sempre buscar evoluir. Fui reconhecido, e isso é muito gratificante para mim”, exalta. Ele curte as férias com Natália e o filho João Pedro, de 2 anos e 4 meses, na residência dos sogros Aristides Júnior e Débora Beckenkamp.