Fórmula 1 07/11/2018 22h41 Atualizado às 13h44

Hamilton evita falar em futuros recordes

Pentacampeão da F-1 está em São Paulo para o GP do Brasil e diz sentir a presença do ídolo Ayrton Senna ao chegar ao País

Agora pentacampeão mundial de Fórmula 1, o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, desembarcou em São Paulo para a disputa do GP do Brasil, neste domingo, mais focado em si mesmo do que na comparação com outras lendas do automobilismo. Apesar de estar a somente 20 vitórias de igualar o maior recordista da história, o alemão heptacampeão Michael Schumacher, o piloto disse que a obsessão por recordes não faz parte do seu cotidiano.

A conquista do quinto título, assegurado no GP do México, no dia 28 do mês passado, pelo menos deu ao piloto mais tranquilidade e leveza, como demonstrou ontem durante evento de um dos seus patrocinadores. “Não tenho planos (de superar os recordes de Schumacher). Apenas quero viver um dia de cada vez. Sou agradecido pelo momento que estou vivendo, pelo que conquistei. Eu não sei o que o próximo ano guarda para mim, se vou continuar a competir no mesmo nível. Honestamente, foi um privilégio ter conseguido correr da forma como corri neste ano. Mas isso pode trazer maus impactos. Será interessante saber como os treinos de fim de temporada serão, como será a preparação para a próxima temporada. Agora é hora de pensar somente em ser o melhor que eu posso ser”, definiu o inglês.

Hamilton garantiu que não há um sentimento especial ao chegar ao Brasil já como campeão mundial. “Não sinto diferença. Sinto o de sempre. Chego da mesma forma ao Brasil como foi nos anos anteriores”, comentou o piloto, que revelou sentir a presença do seu ídolo Ayrton Senna sempre que pisa no País. “Toda vez que eu desembarco aqui é estranho, mas eu sinto sua presença. Toda vez que venho, cresce minha apreciação pelo Brasil e pelos torcedores brasileiros”, enfatizou o britânico da Mercedes GP. “Quando jogo Fifa, sempre escolho o Brasil”, brincou.

Contudo, reconheceu que não se dá tão bem assim no Autódromo José Carlos Pace, Interlagos, palco da F-1 neste fim de semana. “É um dos circuitos mais desafiadores. É no sentido anti-horário, a temperatura e o tempo são difíceis. É uma volta intensa, tem a altitude. É um desafio para o motor, para o físico. Você realmente sente a força G. É uma pista na qual eu sempre tive dificuldade, é o meu ‘calcanhar de Aquiles’ na temporada”, admitiu Hamilton.

Previsão do tempo aponta chance alta de chuva no GP do Brasil

Com o título da temporada já decidido, os fãs de automobilismo podem apostar na chuva para ter um GP do Brasil 1 emocionante neste fim de semana, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Segundo a Climatempo, a maior probabilidade de chuva está reservada justamente para a prova de domingo, que terá largada às 15h10. Há chance de 80% de precipitação, com umidade de até 93%. No sábado, a possibilidade é de 60%, com provável umidade de até 96%, também no período da tarde. O treino que define o grid de largada começará às 15 horas.

Amanhã, quando os carros vão para a pista de São Paulo para os dois primeiros treinos livres – às 11 horas e às 15 horas –, a expectativa também é de chuva, com chance de 80%. Deve ser o dia com temperatura mais baixa no fim de semana: 16 graus. A variação no clima pode dar trabalho extra aos pilotos e às equipes, que terão mais dificuldade para encontrar o melhor acerto para os carros. A principal preocupação será com a estratégia dos pneus. Para este GP, a Pirelli colocou à disposição dos times os compostos médios, macios e supermacios.

F-1 vai chegar ao Vietnã em 2020

A direção da Fórmula 1 anunciou oficialmente ontem que Hanói, no Vietnã, será palco de uma das etapas do calendário da categoria a partir de 2020. A confirmação foi dada em conjunto pelo presidente e CEO da F-1, Chase Carey, e por Nguyen Duc Chung, prefeito da cidade que pela primeira vez vai abrigar uma corrida do principal campeonato de automobilismo do mundo.

Uma pista de 5.556 metros será construída perto do estádio nacional da capital vietnamita, aproveitando uma combinação de infraestrutura já existente e estradas que ficarão prontas em uma nova área residencial próxima ao centro da cidade. A F-1 já conta atualmente com três corridas na Ásia: Japão, China e Cingapura.