Muay thai 11/03/2020 01h45 Atualizado às 09h54

Em busca de sonho, Amauri Froemming estreia nos profissionais

Após dez lutas pelo muay thai amador, santa-cruzense vai a São Leopoldo em mais passo atrás do objetivo de ser um grande lutador e exemplo para os jovens

15 de setembro de 2017. A data não é esquecida por Amauri Froemming. Neste dia, o santa-cruzense iniciou a caminhada em busca de um sonho, que, ele sabia, não seria fácil e haveria muita luta, literalmente. “Confesso que iniciei no muay thai só pra tirar a limpo com outro cara, ver quem brigava mais. Mas fui pegando o gosto pelo esporte e entendendo a filosofia de luta do mestre Gustavo Almeida, que passou a acreditar em mim e disse que eu tinha garra e coração para ser um lutador de verdade”, falou Amauri, que possui o apelido de “Caveira”, devido ao porte físico magro - 1,80 metro de altura, e luta na categoria até 67 quilos.

A agressividade demonstrada nos treinos na academia Nitro Team Geração Thai, ou mesmo nas lutas, dão lugar à timidez e fala mansa na entrevista que concedeu ao Portal Gaz. “É a primeira vez que eu falo assim em uma entrevista, por isso estou um pouco tímido”, disse o rapaz, de 20 anos. De dois anos e meio pra cá, após iniciar os treinamentos, Amauri já realizou dez lutas como atleta amador de muay thai. O cartel é positivo, com sete vitórias e três derrotas. Neste sábado, 14, no Attack Fight, em São Leopoldo, irá estrear como profissional contra o lutador Leonardo Rodrigues, da equipe Garra Team, de Porto Alegre.

“É mais um passo para realizar o meu sonho de ser um lutador. Não há nada melhor que estar treinando sabendo que isso pode dar frutos e melhorar o futuro da minha família, além de ser inspiração para os mais jovens”, comentou Caveira. A família, aliás, dá força. “Minha mãe apoia muito. Sempre que pode ela quer ir nos eventos. Ela fala que sou o orgulho dela”, salientou o morador do Bairro Bom Jesus, que relata a dificuldade em conseguir apoio financeiro para custear as despesas dos treinamentos e competições. “Tudo é mais difícil sem dinheiro. Preciso tirar do bolso para adquirir equipamentos e pagar viagens e inscrições. É difícil conseguir patrocínio, pois as pessoas ainda não conhecem bem o esporte.”

LEIA TAMBÉM
VÍDEO: “Eu não luto sozinho, o cinturão é nosso”, diz Big Castilho
Atletas de Santa Cruz disputam competição em Ijuí
Tricampeão anuncia fim da Big Fighters

 

Foto: Bruno Pedry FotógrafoCaveira lembrou que iniciou no muay thai apenas para brigar com outro rapaz, e acabou pegando gosto pelo esporte
Caveira lembrou que iniciou no muay thai apenas para brigar com outro rapaz, e acabou pegando gosto pelo esporte


Alçando voos mais altos

A menina dos olhos de todo lutador é o MMA, ou Mixed Martial Arts (artes marciais mistas, na tradução). É nesta modalidade que estão as maiores bolsas pagas a atletas de combate e onde a fama transforma os lutadores em verdadeiras celebridades. Dominando o muay thai, Amauri Froemming busca, logo ali na frente, alçar voos maiores e entrar para esse mundo, que engloba a mistura das artes marciais.

Para isso, já iniciou os treinamentos de jiu-jitsu. “Tudo ao seu tempo. Sei que é complicado, mas eu não desisto. Estou sempre preparado para o que vier. Só queria ter um jeito de treinar o dia inteiro”, reitera Caveira, que trabalha em uma empresa de reciclagem de garrafas PET. “Faz parte perder e ganhar. Quero viver da luta, quero trazer o muay thai para a minha comunidade e ser inspiração pra molecada, pois tudo que é feito com dedicação, podemos conquistar”, finalizou Caveira.

LEIA TAMBÉM
Tiagão Lopes traz o cinturão para Santa Cruz

Projeto oferece aulas de muay thai de graça para crianças

O mestre de Amauri, Gustavo Almeida, revelou que o foco do treinamento do atleta está na preparação física, para aguentar as mudanças de regras que a categoria profissional exige. “Esperamos uma guerra. Será a primeira guerra no profissional, agora sem caneleira, com cinco rounds e não três, como era no amador. Treinamos muito forte, queremos a vitória e já projetamos buscar os cinturões dos eventos que participamos nas categorias até 67 e 65 quilos. Estou confiante e sábado ele vai dar um show no Attack Fight”, afirmou o mestre Gustavo Almeida, recentemente convocado para participar do Campeonato Mundial de Muay Thai, na Tailândia, que acabou sendo adiado em virtude do surto de coronavírus.

LEIA MAIS: Tailândia é referência para novos desafios no Muay Thai