Sai ou não? 23/03/2020 10h04 Atualizado às 11h46

COI anuncia decisão dentro de até um mês sobre a Olimpíada

Entidade reconhece que pode transferir a data do maior evento esportivo mundial por conta da pandemia do novo coronavírus

Pela primeira vez, o Comitê Olímpico Internacional (COI) admitiu publicamente a possibilidade de adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, em razão da pandemia do novo coronavírus que tem prejudicado a preparação dos atletas em todo o planeta. Após reunião extraordinária ontem, o Comitê Executivo da entidade garantiu que a Olimpíada não será cancelada e prometeu dar a resposta final sobre a data do maior evento esportivo mundial em até um mês.

A Olimpíada está prevista, inicialmente, para ser realizada entre 24 de julho e 9 de agosto deste ano. Em nota, o COI afirmou cogitar a possibilidade da modificação do planejamento em relação ao período estipulado. O COI entende que o período de um mês será definitivo para chegar a uma resposta. “Esta etapa permitirá uma melhor visibilidade do rápido desenvolvimento da situação da saúde em todo o mundo e no Japão. Servirá de base para a melhor decisão no interesse dos atletas e de todos os demais envolvidos.”

Há cenários diferentes que se apresentam em relação à mudança de datas. Existe a possibilidade de os Jogos de Tóquio serem remarcados para o final deste ano, 2021 ou 2022. O que não está em questão, segundo a entidade, é o cancelamento da Olimpíada, enfatizando que “o cancelamento não resolveria qualquer problema, nem ajudaria ninguém”.O COI afirma que é possível que a data do evento não seja alterada, ao mesmo tempo em que cogita adiar o evento. A entidade faz ponderações e ressalvas, explicando que confia nas autoridades japonesas, mas que reconhece a gravidade da crise de saúde pública provocada pela Covid-19.

“Por um lado, há melhorias significativas no Japão (…) Isso poderia fortalecer a confiança nos anfitriões japoneses de que o COI poderia, com certas restrições de segurança, organizar os Jogos Olímpicos no país, respeitando seu princípio de sempre salvaguardar a saúde de todos os envolvidos”, diz o comunicado da entidade.

LEIA TAMBÉM
COI diz ser prematuro adiamento do evento
Sem público, chama olímpica é acesa em Atenas

Comitês e Federações querem adiamento

A pressão sobre o COI para o adiamento da Olimpíada se intensificou nos últimos dias. Vários atletas, comitês olímpicos nacionais e federações esportivas de países diferentes se manifestaram a favor do adiamento do evento, incluindo o Comitê Olímpico do Brasil (COB). As críticas aumentaram especialmente depois das declarações do presidente do COI, Thomas Bach, que reiterou seguidas vezes que a data não seria alterada.
Após a reunião do Comitê Executivo, Bach escreveu uma carta à comunidade global de atletas para dar uma explicação sobre a abordagem da entidade. “As vidas humanas têm precedência sobre tudo, incluindo a realização dos Jogos. O COI quer fazer parte da solução. Portanto, tornamos nosso princípio principal proteger a saúde de todos os envolvidos e contribuir para conter o vírus”, escreveu o mandatário. “A chama olímpica será uma luz no fim do túnel”, completou.

O eventual adiamento também deve afetar em cheio os Jogos Paralímpicos, agendados inicialmente para 25 de agosto, com encerramento em 6 de setembro. “Como se pode imaginar, eventualmente mudando as datas da Olimpíada e da Paralimpíada teremos um desafio logístico enorme pela frente. E o IPC (Comitê Paralímpico Internacional) vai dar apoio ao COI a cada passo neste caminho”, informou o IPC, por meio de um comunicado.