Tóquio-2020 24/03/2020 08h48 Atualizado às 10h23

Olimpíada será adiada para o ano que vem

Membro do Comitê Olímpico Internacional, o canadense Dick Pound afirmou que o anúncio oficial da transferência dos Jogos sai em breve

Os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 devem ser o próximo evento esportivo a sofrer com a pandemia do novo coronavírus. Segundo o jornal norte-americano USA Today, o canadense Dick Pound, membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), revelou em entrevista que as competições no Japão terão o anúncio de adiamento em breve. A solução mais provável é remarcar o evento para 2021.

“Com base nas informações que o COI tem, o adiamento foi decidido”, afirmou Pound, advogado que é uma das figuras mais influentes da entidade olímpica. “Os Jogos não vão começar no dia 24 de julho, pelo que eu sei”, acrescentou o dirigente.

Nos últimos dias, várias entidades e atletas se manifestaram a favor do adiamento. Apesar disso, o COI tem mantido a data dos Jogos. Entretanto, no domingo, a entidade divulgou um comunicado em que pela primeira vez admitiu a possibilidade de remarcar o início das competições e pediu um mês para a decisão final. “Esta etapa permitirá uma melhor visibilidade do rápido desenvolvimento da situação da saúde em todo o mundo. Servirá de base para a melhor decisão no interesse dos atletas e demais envolvidos”, disse o texto.

LEIA TAMBÉM: Sem público, chama olímpica é acesa em Atenas

O dirigente canadense garantiu que em breve o COI anunciará os próximos passos de como vai reorganizar o calendário e a realização da Olimpíada. “Nós vamos adiar e começar a procurar um acordo com todas as partes interessadas nessa decisão, que são de uma quantidade imensa”, explicou. Após a entrevista, o USA Today procurou o COI, que respondeu: “Como já anunciamos ontem (domingo), estamos estudando os cenários.”

O Comitê Olímpico Canadense já havia afirmado que não enviaria delegação, assim como Austrália, Alemanha, Brasil, Suíça e Noruega. Caso o adiamento se confirme, seria a primeira vez que uma Olimpíada não ocorre na data planejada por um motivo que não seja uma Guerra Mundial.