FUTEBOL 25/06/2020 16h04

Copa do Mundo Feminina de 2023 vai acontecer na Austrália e na Nova Zelândia

Países da Oceania concorriam apenas com a Colômbia para sediar competição. Brasil e Japão já haviam retirado candidaturas

Deu a lógica. Austrália e Nova Zelândia serão as sedes da Copa do Mundo Feminina de Futebol de 2023.  A Fifa anunciou a escolha da candidatura em conjunto dos dois países da Oceania no início da tarde desta quinta-feira, 25, após votação do conselho da entidade que rege o futebol mundial. Austrália e Nova Zelândia disputavam com a Colômbia o direito de organizar a Copa, mas a dupla da Oceania era favorita.

Antes do processo de votação, a candidatura já tinha ficado com a melhor avaliação em relatório divulgado pela Fifa no último dia 10. A maior concorrência era do Japão, e a Colômbia tinha poucas esperanças. Em uma escala de 1 a 5 de pontuação, os países da Oceania receberam 4,1, enquanto os japoneses ficaram com 3,9, e os colombianos com 2,8.

Contudo, na última terça-feira, 23, a Associação Japonesa de Futebol (JFA) desistiu da disputa em meio ao cenário de incertezas por conta da pandemia do novo coronavírus. O Brasil também havia se candidatado a sediar o Mundial Feminino de 2023, mas também recuou, antes mesmo da publicação do relatório da Fifa.

LEIA MAIS:
Japão retira candidatura para sediar Copa do Mundo Feminina de 2023

Sem garantias do governo, Brasil retira candidatura ao Mundial Feminino

Apesar de muita torcida para a Colômbia nas redes sociais, o caminho ficou livre para Austrália e Nova Zelândia serem as anfitriãs da competição. Será a nona Copa do Mundo Feminina e, até então, apenas China, Suécia, Estados Unidos, Alemanha, Canadá e França sediaram a competição.

A maior vencedora da Copa do Mundo é a atual campeã, a seleção dos Estados Unidos, com quatro títulos. A Alemanha levantou a taça duas vezes, enquanto Japão e Noruega venceram uma vez cada.

LEIA TAMBÉM: Justiça nega pedido de igualdade salarial para seleção feminina dos EUA