Futebol amador 07/09/2020 19h18

E.C. João Alves: equipe surgiu da extinção de dois times rivais

Além dos títulos, um dos orgulhos do clube é a estrutura que conseguiu construir ao longo de sua trajetória

A Gazeta do Sul dá continuidade ao histórico dos clubes da Liga Integração de Futebol Amador de Santa Cruz do Sul (Lifasc) que disputam a Copa Cultural Lifasc, parceria da Gazeta Grupo de Comunicações com a Lifasc. A competição terá a última rodada da fase classificatória amanhã à noite. Na segunda-feira passada, contemplamos Linha Santa Cruz e Rio Pardinho. Na próxima segunda-feira será a vez de Aliança, Juventude e São José.

E.C. João Alves
Um tanto quanto curiosa, a história da fundação do João Alves remete a dois times já extintos, o Oriental e o Cruzeiro. Conforme o diretor esportivo, Felipe Gehrke, a rivalidade entre os dois era tamanha que causava até desavenças entre moradores da localidade. Eis que no início dos anos 2000 os dois clubes acabaram por fechar suas portas, dando origem então ao Esporte Clube João Alves, como é conhecido hoje.

Mesmo recente, o clube não tardou a mostrar sua força e em 2004 chegou pela primeira vez à final da Lifasc, quando acabou derrotado pelo Rio Pardinho. A redenção veio apenas em 2010, quando se sagrou campeão vencendo o Boa Vista, provando que, apesar de nova, e até mesmo desacreditada, a equipe já marcava presença e merecia respeito.

Além dos títulos, um dos orgulhos do clube é a estrutura que conseguiu construir ao longo de sua trajetória. Hoje manda seus jogos no Campo do Nascer do Sol, que conta com arquibancadas gerais e até mesmo uma estrutura coberta, conhecida popularmente como “social”.

LEIA MAIS: Copa Cultural: mais duas partidas nesta segunda-feira

João Alves é uma das tradicionais localidades do interior de Santa Cruz do Sul, identificada com o esporte

Inaugurada no dia 6 de novembro de 2011, a estrutura é classificada pelo presidente como uma das melhores do futebol amador do interior do Estado. A nova estrutura marcou também uma nova fase para a equipe, caracterizada pela união dos jogadores e da comunidade. “Fui lá pela primeira vez convidado, em 2007, e então me tornei uma pessoa que ama o João Alves de coração e luta pelo time. Eu faço a força que precisar pelo clube”, afirma Gehrke.

Apesar de ficar a menos de 10 quilômetros da zona central de Santa Cruz do Sul, Linha João Alves tem contornos muito mais rurais do que urbanos. Em 2010, a localidade contava com cerca de 350 moradores, número que subiu expressivamente nos últimos anos devido aos loteamentos abertos por lá. Atualmente – junto com Linha Santa Cruz – é a região para onde a população avança conforme a cidade cresce.