Coluna 27/09/2018 21h59 Atualizado às 10h11

Eu, Gourmet: A cerveja santa-cruzense Heilige

Uma das cervejarias mais premiadas do Brasil está fincada neste município que completa 140 anos

Santa Cruz do Sul completa hoje 140 anos. E quando falamos da cidade por este mundo afora, de imediato vêm à cabeça imagens e lembranças de uma terra de colonização alemã, cucas, Oktoberfest e, claro, cerveja! E nesta data tão especial que tal falarmos de outra genuína marca da cidade, a cervejaria Heilige?

A Heilige nasceu em 2010 focada no objetivo de trazer a cultura cervejeira para Santa Cruz do Sul num período onde as cervejas artesanais e especiais iniciavam a sua escalada junto ao consumidor e apreciador desta bebida lupulada. Por iniciativa de seus três sócios – Rodrigo Yung, Henrique Eisenberger e Ivan Oliveira – Santa Cruz e boa parte do Brasil passaram a brindar os momentos da vida com cervejas de alta gama elaboradas pela cervejaria.

Somou-se ao time o inquisidor mestre cervejeiro Paulo Sarvacinski, formado no Rio de Janeiro e em São Paulo e com larga experiência em visitas técnicas, concursos e seminários nos principais países produtores mundiais. Ele parou no Estado em uma cervejaria da Serra Gaúcha e, em 2010, foi convidado a fazer parte do time Heilige.

Desde então, vem desenvolvendo suas receitas e seu trabalho juntamente com um time de peso. Este mesmo time entende que ainda não alcançou o patamar desejado de excelência, mesmo com todos os prêmios e honrarias já conquistados. “Não acho que chegamos à excelência; estamos sim sempre em busca dela, gostando do que se faz, cuidando do que se faz, elaborando os processos de modo correto e constantemente em busca de melhorias. Isso nos faz evoluir”, atesta Sarvacinski.

A cervejaria tem em seu processo de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos um de seus diferenciais competitivos. Inicia com a tendência de mercado, estudo do público-alvo, testes e provações até chegar ao resultado esperado. E cada estilo e processo cervejeiro seguem a “Lei da Pureza” de 1516 escrita por Guilherme IV, monarca alemão, do Estado da Baviera, que promulgou a primeira lei de proteção ao consumidor da história. As cervejas produzidas pela Heilige, assim como as de muitas microcervejarias europeias, são de puro malte e sem adição de produto químico, idealizadas pela necessidade de oferecer ao mercado produtos especiais e de sabor único.

Atualmente, a Heilige conta com 17 estilos de cerveja divididos em três linhas: Best Seller, que são as cervejas clássicas e equilibradas (Pilsen, Red Ale, Pale Ale, Weiss, Oktoberfest, Belgian Wheat Ale e Porter); Extra Hops, que é uma variação da Best Seller, porém com amargor mais pronunciado e intenso com uma boa carga extra de lúpulo (American Pale Ale, Double Red Ale, German Ipa, Bohemian Pilsner e Session Ipa); e Strongest, que são cervejas mais intensas em corpo, teor alcoólico e complexidade, algumas inclusive maturadas em barricas de carvalho de vinho do Porto e Whisky (Barley Wine, Belgian Trippel, Belgian Dubbel e Belgian Saison). Mas os rótulos não param por aí: uma linha completa de IPAs e uma linha de cervejas envelhecidas em barricas de carvalho, envasadas nas garrafas, serão lançadas em breve no mercado.

Há seis anos nasceu o projeto do Heilige Brew Pub, espaço cativo na noite da cidade e destinado para o consumidor degustar as cervejas da casa acompanhadas de petiscos e gente bonita. Além de Santa Cruz, tem unidades em Lajeado e Porto Alegre. O HBP possui um ambicioso plano de expansão – chegar a 30 pontos nos próximos cinco anos.

* Confira este artigo, receitas, crônicas e dicas de vinhos acessando o blog www.eu-gourmet.com

Você sabia?

Um dos momentos mais marcantes da Heilige foi um dos prêmios conquistados pela cervejaria em 2015, como Melhor Cervejaria da América do Sul, no concurso South Beer Cup, o que lhe gerou o espraiamento da marca e do trabalho desenvolvido desde a fundação pelo time da empresa. Logo após, em 2016, a Heilige ficou em segundo lugar no Campeonato Brasileiro de Cervejas, no quesito Melhor Cervejaria do Brasil. Mais de 70% das cervejas produzidas já ganharam medalhas, nacionais e internacionais, entre ouro, prata e bronze, para cada estilo.

  • O mestre cervejeiro Paulo Sarvacinski tem sua predileção por algumas das cervejas produzidas, não tendo apenas uma preferida, mas sim uma de cada linha: vai de Weissbier, German Ipa e uma Barley Wine para acompanhar um bom prato.
  • Hoje a Heilige tem capacidade produtiva para 70 mil litros de cerveja/mês.
  • O Brasil possui atualmente quase 200 microcervejarias, localizadas em sua maioria no Sul e no Sudeste. Já a Alemanha, o primeiro país a comercializar cerveja, mantém mais de 5 mil marcas  e cerca de 1,3 mil cervejarias.

 

Foto: Emerson Haas

FALA BACO

Uma das cervejas que mais gosto desta marca é a Heilige German IPA. Tenho especial apreço por cervejas mais encorpadas, aromáticas e alcoólicas e este rótulo entrega com perfeição estas características. Esta GIPA possui cor âmbar com reflexos com nuance ocre e entrega aromas complexos de frutas brancas cítricas – abacaxi e pomelo –, florais e ainda um toque herbáceo mentolado.

Em boca é equilibrada, corpo médio, com acidez correta, amargor final cômodo no retrogosto com malte e caramelo. Muito persistente, quente e ampla no palato. Harmoniza com eisbein, carnes condimentadas, pimentão recheado, carnes com pimenta, hambúrguer com bacon e inclusive cheesecake de chocolate branco. Possui 7% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumida na temperatura entre 4 e 6 graus e em taça pint.

E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!

Foto: Emerson Haas