Estado 30/11/2018 12h29 Atualizado às 12h46

Prazo para vacinação do rebanho contra febre aftosa é prorrogado

A prorrogação aconteceu em função da falta da vacina no comércio agropecuário, como é o caso de Santa Cruz

O prazo para a vacinação contra a febre aftosa foi prorrogado para o dia 10 de dezembro. A decisão aconteceu em função da falta da vacina no comércio agropecuário de algumas regiões do Estado. Nem mesmo as distribuidoras tinham o produto para comercialização. Esse é o caso de Santa Cruz do Sul, que desde a semana passada não tem mais doses nas casas agropecuárias do município. 

LEIA MAIS: Falta de vacinas compromete imunização contra a aftosa

A coordenadora do Programa de Combate à Febre Aftosa no Rio Grande do Sul, Grazziane Rigon explicou que a falta ocorreu porque, a partir do ano que vem, a vacina sofrerá alteração. Com isso, as agropecuárias compraram poucos produtos, temendo ter que se desfazer dos estoques que não terão mais validade em 2019.

 

Mudança na dosagem

A reação vacinal da atual dosagem provocava nódulos e inflamações no local da aplicação. Para reduzir esses efeitos, o Ministério da Agricultura estipulou uma alteração na dose, que visa proteger o rebanho de reações adversas.

 

Vacina é obrigatória até 2021

Grazziane Rigon ressaltou a importância da vacinação e explicou que o Ministério da Agricultura tem um planejamento para a retirada da vacina. O prazo para o Rio Grande do Sul é 2021. Na campanha deste ano, o estado já vacinou 60% do rebanho. Esse número deve ser maior, porque os pecuaristas tinham até o dia 7 de dezembro para comprovar a vacinação. Com a ampliação do prazo para a vacina até o dia 10 de dezembro, a data para a comprovação também se estende e vai até o dia 17. Os locais para compra das vacinas podem ser consultados aqui.