Ícone culinário 11/07/2019 22h35 Atualizado às 11h59

Inspire-se: que tal aprender a preparar o ratatouille?

Prato de origem francesa tem como ingredientes legumes fatiados e cozidos ou mesmo assados no forno, tudo disposto na montagem de forma intercalada

Esta receita foi imortalizada no cinema com o filme homônimo cujo protagonista é um simpático ratinho chef (veja do lado). O ratatouille nasceu na França, na região de Provença e do antigo condado de Nice, em meados do século 18, e é um de seus ícones culinários. Sua receita consiste de legumes como berinjela, abobrinha, pimentão, tomate e cebola fatiados e cozidos ou assados no forno, dispostos intercalados na montagem.

A abreviação “rata” que dá origem à palavra “ratatouille” era uma gíria militar para a refeição dos soldados, que era uma mistura de feijões, batatas e variados legumes. O ratatouille é considerado um acompanhamento, presente em vários pratos, mas podendo também ser o principal, servido com arroz ou pão. No filme da Disney o ratinho cozinheiro preparava e apresentava de forma diferente desta, que teve um toque especial na montagem.

Confira a receita do ratatouille:

Foto: Emerson Haas

 

COM O QUE E COMO FAZER*

- Ingredientes (para 4 pessoas):
1 cebola média
2 tomates
2 pimentões
1 abobrinha
1 berinjela
1 dente de alho picadinho
1 ramo de tomilho
Azeite de oliva a gosto
Sal e pimenta-do-reino a gosto

- Preparo: Corte os legumes em fatias de no máximo 0,5 centímetro de espessura, pois quanto mais finas, mais fácil será o cozimento. Tempere com sal e pimenta. Regue com azeite de oliva uma assadeira e disponha os legumes intercalando cada fatia. Regue com azeite de oliva, salpique o alho e disponha o ramo de tomilho. Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido a 200 graus por 40 minutos. Descubra e deixe mais 20 minutos. Deixe o prato esfriar por dez a 15 minutos, decore com folhas de manjericão e sirva com uma baguete francesa quente.

FALA BACO

A Bodega Renacer está localizada em Perdriel, ao pé da Cordilheira dos Andes, em Mendoza, na Argentina. É uma vinícola que reúne fino manejo e elaboração altamente tecnológica, com mínimo de intervenção. Ela produz também vinhos Cabernet Franc, casta que vem me agradando há um bom tempo, já elencada entre as minhas preferidas. O Renacer Punto Final Cabernet Franc Gran Reserva 2016 une os terroirs de Perdriel, em Luján de Cuyo, e Vistaflores, em Tunuyán. Utiliza leveduras indígenas na fermentação alcoólica, e depois, a fermentação malolática em barricas de carvalho francês, onde estagia por 12 meses.

Possui coloração rubi brilhante com reflexos violáceos. A palheta olfativa é extensa, com aromas com cereja negra e groselha destacadas, funcho, caramelo de mascavo, hibiscos, cravo da índia, fumo e corda, chocolate e um toque mentolado. Boca com fruta negra e caramelo, leve tostado e final lácteo. Taninos suaves, ótima acidez e amplo final.

Faz belo par na companhia de carne suína no forno, carne bovina e cordeiro na brasa, massas com molhos encorpados e charcutaria. Tem 13,5% de graduação alcoólica e o ideal é ser consumido na temperatura de 18 graus. Você encontra os vinhos da Punto Final na Wein Haus, loja especializada em vinhos, localizada na Avenida João Pessoa, 895, em Santa Cruz do Sul. Telefone (51) 3711 3665 e site www.weinhaus.com.br. E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!     

Foto: Emerson Haas

 

Por aí...

O filme Ratatouille foi lançado em junho de 2007 sob direção de Brad Bird e produção da Disney/Pixar, sendo o ganhador do Oscar de Animação em 2008. Conta a história do ratinho Remy, que sonha se tornar um grande chef. Vivendo em uma fazenda no interior da França, Remy não se conforma com o comodismo de sua comunidade. Sendo ratos, eles vivem de roubar comida dos lixos, enquanto o jovem roedor de paladar e olfato apurados sonha em ter acesso aos mais requintados pratos da gastronomia francesa.

Um acidente faz com que Remy se perca de sua família. Ele acaba indo parar em um local distante de tudo o que conhece, tendo como companhia apenas o espírito de Gusteau, um grande chef de cozinha, autor do livro preferido do rato: Todos Podem Cozinhar. Ele decide visitar a cozinha do lugar e lá conhece Linguini, um atrapalhado ajudante que não sabe cozinhar e precisa manter o emprego a qualquer custo.

Remy e Linguini realizam uma parceria, em que Remy fica escondido sob o chapéu de Linguini e indica o que ele deve fazer ao cozinhar. Passam por várias situações juntos, inclusive a de conquistar um renomado crítico gastronômico. O diretor do filme, Brad Bird, para torná-lo mais realista, pesquisou diversos restaurantes e a equipe chegou a criar, de verdade, 270 pratos diferentes.