Atenção 10/10/2019 09h52 Atualizado às 11h32

Veterinário orienta cuidados no convívio entre crianças e cachorros

Qualquer que seja a raça, tamanho ou porte, é preciso ficar atento às reações dos animais

A morte de um bebê de 1 ano e 3 meses em Sapiranga após ataque de um cão acendeu alerta sobre a criação dos animais e sobre o convívio com crianças. O caso ocorreu na última terça-feira, 8, enquanto o menino estava na casa da avó, que, ao tentar defender o neto, também sofreu escoriações.

O veterinário da Prefeitura de Santa Cruz do Sul, Tiago Alberto Haas Marques, diz que o ataque de cães tem mais a ver com o meio onde os animais vivem e com a forma como são criados. “Um cão que é maltratado, que é preso a uma corrente ou em um canil minúsculo, que não é socializado com outros cães ou com pessoas, que não recebe atenção, que não recebe os cuidados e acompanhamentos básicos de que necessita, pode por diversas vezes demostrar-se mais agressivo. Ainda, animais que sofrem maus-tratos podem ser determinados como mordedores viciosos, para os quais atacar e morder é uma atitude normal, isso tudo devido às situações impostas a eles pelos seus tutores”, ressaltou.

Segundo Tiago, cães de diversas raças ou mesmo os considerados sem raça definida podem ser autores de ataques a pessoas ou outros animais. Além disso, o veterinário lembra que os cães têm um instinto ancestral de caça e de territorialidade intrínseco, que lhes transfere características e comportamentos próprios da espécie. “Outro ponto importante a enfatizar é que os cães em seu ambiente natural e de origem vivem em matilha, com uma organização hierárquica muito bem definida, em que o Alfa, cão em nível hierárquico mais elevado, geralmente é o mais forte e destemido, sendo responsável por defender a matilha, bem como providenciar a alimentação.”

Em muitos casos, os cachorros que cometem estes ataques acabam tornando-se os Alfa da matilha formada entre eles e seus tutores. “Muitas vezes, devido ao seu instinto de caça, qualquer indivíduo, principalmente pequeno como crianças, pode ser considerado presa. O mesmo vale para os territorialistas, aqueles que tomam conta de um certo espaço físico. Estes identificam como seu o território e irão atacar quem invadir seu espaço”, completou.

LEIA MAIS: Bebê de 1 ano é morto por cachorro em Sapiranga

Convívio com crianças
O veterinário salienta que é importante, ao decidir ter um animal, estudar e conhecer as características da raça. No caso dos destinados à guarda e proteção, é importante ter o apoio de um adestrador. “Com o animal escolhido, o fundamental é a socialização dos entes da família com o cão, bem como a adaptação com o ambiente. A atenção entre as crianças e os cães deve ser dividida igualitariamente, para não criar vínculos de ciúme.”

Qualquer que seja a raça, tamanho ou porte, é preciso ficar atento às reações dos animais. “Não se deve deixar crianças perto dos cães enquanto eles estão se alimentando. Passeios e brincadeiras devem ser acompanhados de adultos. Se o cachorro se sentir agredido ou acuado, a reação é de defesa, que muitas vezes pode ser o ataque.”