Educação 13/01/2020 11h00

Professores da região rejeitam proposta de Eduardo Leite

Em Assembleia Regional realizada na sexta-feira, 10, professores do Vale do Rio Pardo decidiram retornar às escolas mas permanecer em estado de greve

Os professores do Vale do Rio Pardo decidiram pela rejeição da proposta do Governador Eduardo Leite, que faria o pagamento em folha suplementar dos salários cortados mediante o fim da greve e a recuperação das aulas. A sugestão foi apresentada na última quarta-feira, 8, pelo Piratini, que ainda confirmou que vai descontar os dias parados ao longo dos próximos seis meses, no contracheque dos professores e funcionários. O corte seria parcelado em vez de integral.

Em entrevista nesta segunda-feira, 13, à Rádio Gazeta, a diretora do 18º Núcleo do Cpers/Sindicato, Cira Kauffman, alegou que a proposta de Eduardo Leite foi analisada e rejeitada pela categoria, em uma assembleia realizada na última sexta-feira, 10, em Santa Cruz do Sul. “Nós rejeitamos a proposta. Não queremos receber o pagamento dos dias parados em cinco dias uteis e depois tê-los descontados. Vamos retornar as escolas e permanecer em estado de greve. Entendemos que o governo fez um a jogada politica e vamos recorrer na justiça”, afirmou.

Agora, nesta terça-feira, 14, todos os núcleos do sindicato estarão em Porto Alegre para decidir se rejeitam ou não a proposta. O encontro será no Colégio Candido José Godoi, na Avenida França, 400, a partir das 13h30. De Santa Cruz, os ônibus saem às 10 horas da frente da sede do Cpers. Ainda haverá transporte com saída de Rio Pardo e Venâncio Aires.

Cira Kaufamnn adianta, que a partir de quarta-feira 15, as mobilizações serão retomadas. “ Faremos um ato com distribuição de panfletos e um diálogo com a comunidade. Queremos mostrar que recursos o Estado têm. Além da má vontade do governador, é uma determinação do governo de destruir com a educação pública e tornar ela muito pequena privatizando escolas municipalizando outras.”

LEIA MAIS: Governo apresenta proposta para que magistério recupere aulas e finalize greve