Desde 2009 05/03/2020 06h57

País já perdeu R$ 62,4 bilhões com o contrabando de cigarros

Estudo da Oxford Economics aponta impactos da expansão do mercado ilegal de tabaco na economia brasileira

A evasão fiscal gerada pelo comércio ilegal de cigarros levou a perdas de nada menos que R$ 62,4 bilhões aos cofres públicos desde 2009. É o que aponta um novo estudo a respeito do contrabando no mercado de tabaco no Brasil, segundo o qual a política de tributação pesada sobre o setor está por trás da expansão desenfreada do crime no decorrer da última década.

Intitulado “A economia do mercado ilegal de tabaco no Brasil”, o estudo da Oxford Economics foi lançado nessa quarta-feira, 4, durante um seminário da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília. A pesquisa reuniu um conjunto de dados de diversas fontes que sinalizam para o consumo crescente de cigarros ilegais no País – em consonância com a queda no consumo de cigarros legalizados – e para os reflexos desse fenômeno na arrecadação de impostos, na geração de empregos e na atividade econômica de maneira geral.

Um dos levantamentos, feito pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), indica que a ilegalidade respondeu por 57% do mercado em 2019, o que representa um aumento em relação a 2018 (54%). Isso significa que a cada três cigarros consumidos no ano passado, dois eram ilegais.

Conforme o mesmo estudo, 49% do volume consumido foi produzido no Paraguai e ingressou em território brasileiro de forma ilegal e 8% foi produzido em fábricas clandestinas dentro do País. Para este ano, a projeção é de que o mercado irregular alcance a marca dos 60%.

LEIA MAIS: Especial Contrabando: expedição explora o mercado ilegal de cigarros

Segundo o responsável pelo estudo da Oxford, Marcos Casarin, o cigarro clandestino saiu das sombras da marginalidade e hoje ocupa o centro do consumo no Brasil. “A fidelização dos consumidores ao cigarro ilegal impacta toda a sociedade. Há menos recursos advindos da arrecadação fiscal, uma diminuição substancial da oferta de empregos e o crescimento exponencial do crime organizado, que se alimenta do cigarro ilegal para suas transações ilícitas”, observou.

Um dos fatores que explicam o aumento da procura pelo produto clandestino – além da redução do poder de compra da população – é o aumento da carga tributária. Conforme Casarin, os dados indicam que a estratégia de encarecer o cigarro legalizado, ao invés de reduzir o tabagismo, vem provocando uma migração de consumidores para a mercadoria contrabandeada. “Nota-se que desde 2011, quando houve o aumento da tributação, o consumo total não caiu. O que caiu foi a adesão às marcas legais, com um volume maior de ilegais chegando ao mercado”, disse.

LEIA TAMBÉM: Apreensões em 2019 superam R$ 5 milhões

ENTENDA O PROBLEMA

O cigarro é um dos produtos mais tributados do Brasil. Sobre ele incidem impostos federais (IPI e PIS/Cofins) e estaduais (ICMS). A carga tributária varia de acordo com o Estado, mas chega em média a 71%. Além disso, os cigarros estão sujeitos à lei do preço mínimo, que hoje é de R$ 5,00. Com isso, o preço médio do produto regulado chega a R$ 7,46.

Já o preço médio do cigarro paraguaio é de R$ 3,31. Essa diferença se dá por dois motivos. Primeiro, porque a tributação no Paraguai é muito baixa – em torno de 40% – e o custo de produção é inferior. Depois, porque, como o produto ingressa no País de forma ilegal, não fica sujeito a nenhuma tributação.

LEIA MAIS: Contrabando de cigarros já responde por 49% do mercado do RS

Com isso, o contrabando vem crescendo em ritmo acelerado. Em 2018, por exemplo, enquanto a arrecadação do governo federal com a produção regular de cigarros foi de R$ 11,4 bilhões, a evasão fiscal com o contrabando chegou a R$ 11,5 bilhões. Ou seja, as perdas sofridas pelo poder público foram superiores ao que ele arrecadou.

O cenário põe em xeque a política que foi adotada desde a década de 1990 pelo governo federal para inibir o consumo de cigarros. Ela inclui, dentre outros, a tributação pesada e o preço mínimo. Os números indicam que, na prática, em vez de reduzir o número de fumantes, o que acontece é uma migração de consumidores do produto regulado para o produto ilegal.

Apesar disso, não há sinais de avanço. No ano passado, o Ministério da Justiça instaurou um grupo de trabalho para discutir a viabilidade de uma revisão da carga tributária sobre os cigarros, mas a possibilidade acabou descartada. Em janeiro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cogitou a criação de um “imposto do pecado”, que incidiria também sobre os cigarros.

LEIA MAIS
“O contrabando vai aplaudir de pé”, diz Heitor Schuch sobre novo imposto
Bolsonaro descarta criação de novo tributo: “Aumentar imposto da cerveja, não”