Combate às fake news 12/05/2020 22h11 Atualizado às 22h37

Facebook exclui mais de 50 milhões de postagens falsas

Postagens removidas nesta terça-feira continham desinformação sobre o novo coronavírus e foram avaliadas com base em 7,5 mil artigos científicos

A rede social Facebook publicou nesta terça-feira, 12, relatório sobre as ações tomadas para prevenir a disseminação de conteúdos falsos ou duvidosos na internet. Segundo o Relatório de Aplicação dos Padrões da Comunidade, cerca de 50 milhões de postagens relacionadas ao novo coronavírus, publicadas tanto no Facebook quanto no Instagram, foram consideradas incompatíveis com as políticas da empresa. 

“Passamos os últimos anos construindo ferramentas, equipes e tecnologias para ajudar a proteger as eleições de interferências, evitar a disseminação de desinformação em nossos aplicativos e manter as pessoas protegidas de conteúdos nocivos”, afirma o vice-presidente de Integridade do Facebook, Guy Rosen.

LEIA MAIS: Disseminação de fake news sobre coronavírus preocupa especialistas

O relatório do Facebook diz também que a maior parte do trabalho de filtragem de conteúdo é feita por algoritmos de inteligência artificial que identificam conteúdos abusivos com expressões de discurso de ódio, nudez adulta e atividades sexuais, violência e conteúdo explícito, bullying e assédio. Apenas uma parte da filtragem é reavaliada por revisores de conteúdo, enquanto a maior parte é excluída automaticamente.

“Trabalhamos com mais de 60 organizações de verificação de fatos que revisam e classificam conteúdos em mais de 50 idiomas ao redor do mundo. No mês passado, continuamos a expandir nosso programa para adicionar mais parceiros e idiomas. Desde o início de março, adicionamos oito novos parceiros e expandimos nossa cobertura para mais de uma dúzia de novos países”, revela Rosen.

LEIA MAIS: Confira cinco dicas para identificar notícias falsas

As postagens removidas que continham desinformação sobre o novo coronavírus foram avaliadas com base em 7,5 mil artigos científicos usados para comparar fatos entre os textos publicados nas redes sociais e o entendimento médico-científico atual sobre a doença.

LEIA MAIS: Revista científica da Unisc recebe artigos sobre fake news em época de pandemia

O levantamento também marca a primeira vez que o Facebook e Instagram divulgam informações sobre apelações feitas por usuários de ambas as plataformas. De janeiro a março de 2020, das 2,3 milhões de postagens excluídas por violação dos termos de uso, 613 mil foram restauradas após análise de avaliadores.

>> Clique aqui para acessar o relatório completo