COVID-19 13/07/2020 21h23

Universidade russa conclui testes e espera distribuir vacina já em agosto

Com isso, Rússia seria o primeiro país a distribuir imunização contra o novo coronavírus à população

A Rússia anunciou nesse domingo, 12, que concluiu a primeira fase de testes de uma vacina contra a Covid-19. O País está mais perto de se tornar o primeiro a iniciar a distribuição de uma vacina contra o coronavírus para a população. “A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura”, disse Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, à agência de notícias estatal TASS.

A vacina aprovada foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia e Microbiologia Gamalei. Segundo o diretor da instituição, Alexander Gintsburg, a previsão é que a vacina “entre em circulação civil” entre 12 e 24 de agosto.

LEIA MAIS:
Se testes comprovarem eficácia, produção de vacina no Brasil começa em dezembro
Laboratório começa etapa final de testes de vacina contra a Covid-19

Os testes com a vacina começaram no dia 18 de junho, quando o primeiro grupo, de 18 voluntários, recebeu a imunização. Cinco dias depois, no dia 23, mais 20 pessoas receberam a dose, também deste tipo. “Os voluntários receberão alta nos dias 15 e 20 de julho”, disse Smolyarchuk, chefe do Centro de Pesquisa Clínica em Medicamentos da Universidade Sechenov. Segundo a pesquisadora, os voluntários permanecerão sob supervisão médica em regime ambulatorial após receberem alta.

LEIA MAIS: Vacinas poderão controlar a Covid-19, mas não acabarão com a circulação do vírus, diz diretor do Butantan

Atualmente, três pesquisas, desenvolvidas no Reino Unido, na China e nos Estados Unidos, lideram a corrida por uma vacina contra a Covid-19. Cientistas explicam que dizer que uma vacina é a mais promissora ou a mais adiantada significa que ela se mostrou eficaz em mais etapas dos testes pré-clínicos (animais) e clínicos (humanos). Mas não significa necessariamente que ela seja a mais próxima de ser bem-sucedida.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS