Comoção na internet 21/07/2020 21h55

Palestino escala parede de hospital para observar mãe internada com Covid-19

Rapaz subia até a janela do quarto em que a mãe estava internada, diariamente, e só ia embora quando ela adormecia

A história de um jovem palestino que escalou a parede de um hospital para poder ver sua mãe internada com Covid-19 em um hospital na Cisjordânia tem sido amplamente compartilhada nas redes sociais, comovendo internautas por todo o mundo.

As imagens foram publicadas no Facebook pelo site em francês ligado à emissora Al-Jazeera, o AJ+, que explicou que o rapaz, Jihad Al-Suwaiti, de 30 anos, subia as paredes do Hospital Estadual de Hebron para observar a mãe, Rasmi Suwaiti, de 73 anos. A mulher, que já tratava uma leucemia antes de ser diagnosticada com Covid-19, morreu no dia 16 de julho.

Pour accompagner sa mère atteinte du COVID-19, Jihad Al-Suwaiti grimpait le mur de l’hôpital de Hébron en Cisjordanie…

Posted by AJ+ français on Sunday, July 19, 2020

A história também foi publicada no Twitter pelo CEO da organização Patriotic Vision e ativista dos direitos humanos Mohamad Safa, ganhando ainda mais visibilidade e compartilhada mais de 200 mil vezes.

LEIA TAMBÉM: Modelo de distanciamento evitou colapso na saúde, diz Leany Lemos

Segundo o AJ+, Al-Suwaiti conseguiu entrar no quarto da unidade de tratamento intensivo uma vez para dizer adeus à mãe antes de ela morrer.

Segundo relatos locais, mãe e filho são da cidade de Beit Awwa, na Cisjordânia. Uma reportagem do site britânico The Mirror, citando fontes do hospital, afirma que o rapaz escalava a parede pelos canos para sentar na janela do segundo andar e observar a mãe.

A fonte do hospital relatou que ele passava a maior parte do seu dia do lado de fora da janela e somente descia depois de ter certeza que a mãe já havia adormecido.

De acordo com o Mirror, o hospital instruiu ao rapaz a não escalar o prédio por razões de segurança, mas ele se recusou a seguir o conselho e continuou a fazer isso todos os cinco dias em que a mãe ficou internada. “Ele era muito próximo da nossa mãe, especialmente depois que nosso pai morreu, há 15 anos”, disse um irmão de Jihad, segundo relatos da imprensa local.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS