PAÍS 15/09/2020 23h20

Bolsonaro desiste da criação do Renda Brasil

Presidente afirmou nesta terça-feira, 15, que novo programa social saiu da pauta do governo e que Bolsa Família será mantido

Em vídeo nas redes sociais, nesta terça-feira, 15, o presidente Jair Bolsonaro negou notícias publicadas por grandes jornais do País que diziam que o governo pretendia suspender reajustes em aposentadorias, a fim de garantir recursos para o programa social Renda Brasil. Na mesma fala, Bolsonaro afirmou que o novo programa está descartado e não será criado durante o governo dele.

“Eu já disse que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos. Quem por ventura vier a propor para mim uma medida como essa, eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa. É gente que não tem um mínimo de coração, não tem o mínimo de entendimento como vivem os aposentados do Brasil”, disse.


De acordo com o Bolsonaro, “pode ser que alguém da equipe econômica tenha falado sobre este assunto”, mas que seu governo “jamais” vai congelar salários de aposentados ou reduzir o BPC “para qualquer coisa que seja”. “Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil, vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, destacou.

LEIA MAIS: Insatisfeito com valor médio, Bolsonaro adia anúncio do Renda Brasil

Em junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou a intenção do governo de criar o Renda Brasil após a pandemia do novo coronavírus, com a unificação de vários programas sociais. Desde então, a equipe econômica e o Palácio do Planalto têm discutido a fonte de recursos para financiar o novo programa social.

Na semana passada, Bolsonaro descartou o fim do seguro-defeso como forma de garantir o programa de renda permanente. Em agosto, ele também já havia anunciado que a criação do Renda Brasil estava suspensa porque não aceitaria eliminar, em troca, o abono salarial, espécie de 14º salário pago aos trabalhadores com carteira assinada que recebem até dois salários mínimos.

LEIA MAIS: Para Renda Brasil chegar a R$ 300, é preciso cortar deduções do IR, diz Guedes