PESQUISA 18/03/2021 20h02 Atualizado às 20h22

54% dos brasileiros avaliam como ruim ou péssima a gestão do governo Bolsonaro no combate à pandemia

O novo índice de rejeição foi auferido na semana em que o País enfrenta incertezas com o comando do Ministério da Saúde

Pesquisa Datafolha aponta que a rejeição à forma do presidente Jair Bolsonaro combater a pandemia do novo coronavírus atingiu a maior marca, com 54% dos brasileiros que avaliam sua gestão como ruim ou péssima. Essa taxa representa um aumento de 6 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, realizada entre 20 e 21 de janeiro. O novo índice de rejeição foi auferido na semana em que o País enfrenta incertezas com o comando do Ministério da Saúde durante a pior fase da crise sanitária, com a escassez de leitos e de vacinas em todas as regiões.

De acordo com o levantamento, publicado na terça-feira, 16, pelo jornal Folha de S.Paulo, o percentual dos brasileiros que avaliam a gestão da pandemia como ótima ou boa caiu 4 pontos e está em 22% dos brasileiros. Os que avaliam como regular oscilaram negativamente 1 ponto e estão em 24%.

LEIA MAIS: ‘Política de saúde não é do ministro, é do governo Bolsonaro’, diz Queiroga

Entre os grupos que melhor avaliam positivamente o presidente estão 38% dos empresários, 29% dos habitantes da região Centro-Oeste e Norte, 27% dos que têm entre 45 a 59 anos e 27% dos evangélicos.

Entre os que pior avaliam negativamente o presidente estão 65% dos que têm ensino superior, 61% dos pretos, 60% dos funcionários públicos e 58% das mulheres.

Para 43% dos pesquisados, o presidente é o principal culpado pela atual situação. Na terça-feira, o País registrou novo recorde de mortes, com 2.798 vítimas em 24 horas, o que elevou o total para 282.400 óbitos. Governadores são vistos como os principais responsáveis por 20% da população, e os prefeitos, por 17%.

A pesquisa foi realizada por telefone com 2.023 pessoas entre os dias 15 e 16 de março e tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

LEIA MAIS: Cardiologista Marcelo Queiroga assume Ministério da Saúde