A caráter 08/10/2019 15h36 Atualizado às 16h44

Procura pelo traje típico aquece comércio e ateliês

A preparação começou há meses para atender à demanda

A Festa da Alegria começa amanhã, mas ainda há tempo para ir atrás de um traje típico a fim de curtir as atrações. Além de entrarem de vez no espírito da Oktoberfest, pessoas com a roupa completa pagam meio ingresso no acesso ao parque. E é possível comprar peças prontas, alugá-las ou até mesmo adquirir vestimentas usadas, em brechós. Para quem deseja participar da programação a caráter, costureiras, ateliês e estabelecimentos especializados da cidade oferecem modelos a pronta-entrega. A preparação começou há meses para atender à demanda.

No Dona Margarida Atelier Criativo, a empresária Júlia Cristina Zanette conta que os preparativos tiveram início em maio. Primeiro foram produzidos os trajes para o material de divulgação. Além disso, pessoas foram convidadas para que escolhessem e encomendassem seus trajes com antecedência. “Em agosto, os trabalhos se intensificaram, tanto para a produção dos trajes sob medida quanto para aqueles a pronta-entrega”, conta. Atualmente, quatro profissionais estão trabalhando na linha de produção.

Para este ano, a meta é produzir 120 trajes, o dobro do que foi vendido em 2018, no primeiro ano do ateliê. “Ainda não encerramos as vendas, mas com certeza atingiremos nossos objetivos. Estimamos aumento superior a 100% na comparação com o ano passado”, projeta Júlia. Conforme ela, a Festa da Alegria configura a principal demanda e exige muito trabalho e dedicação. “A Oktoberfest é uma grande paixão minha, e é a oportunidade de unir tudo o que mais amo: criar, costurar e estar presente por meio dos trajes em um momento de tanta alegria para todos”, salienta.

Foto: Paola SallesNa Dona Margarida Atelier Criativo, preparativos para confecção dos trajes típicos germânicos começaram em maio
Na Dona Margarida Atelier Criativo, preparativos para confecção dos trajes típicos germânicos começaram em maio

 

Demanda que só cresce
A empresária Amanda Machado da Silva está muito otimista diante dos pedidos e da procura por trajes típicos na Amanda Boutique, no Centro de Santa Cruz do Sul. “Desde março estamos confeccionando as roupas. Atualmente, somos oito costureiras”, destaca. Na loja, as pessoas encontram trajes masculinos e femininos, tanto para crianças quanto para adultos, além de acessórios para compor a vestimenta.

“Agora já não estamos pegando mais nada sob encomenda para este ano, mas ainda é possível encontrar a pronta-entrega”, observa. Conforme a lojista, a demanda vem crescendo muito nos últimos anos, inclusive com grandes pedidos de empresas, destinados aos desfiles típicos. “Nosso forte é a venda, mas também trabalhamos com aluguel”, enfatiza.

Foto: Bruno PedryNo Dona Margarida Atelier Criativo, preparativos para confecção começaram em maio


Como deve ser a vestimenta
Para garantir meio ingresso no acesso ao Parque da Oktoberfest durante a Festa da Alegria, os trajes típicos precisam seguir alguns critérios. Para as roupas femininas exige-se corpete, saia rodada, meias, sapatos e cabelos presos com tiara de flores (opcional). Já os homens precisam vestir calças knicker, suspensórios, meias, sapatos e chapéu (opcional) verde ou preto. O traje também pode ter colete.

Na Alemanha, as cidades e os vilarejos têm características que influenciaram na confecção das roupas, inclusive o clima, a geografia e os materiais disponíveis. Os modelos trazidos ao Brasil foram os de uso diário, com aspectos dos trajes usados pelos plebeus de antigamente, que se transformaram nas vestimentas oficiais dos grupos folclóricos.

LEIA MAIS: Oktoberfest é sinônimo de trabalho para cerca de 4,4 mil pessoas