Off-road 06/01/2019 12h53

Rally Dakar começa com presença de 11 brasileiros

A prova terá 70% do percurso realizado no deserto peruano, cujas dunas fofas e encavaladas exigirão bastante habilidade de pilotagem e navegação

A 41ª edição do Rally Dakar começa neste domingo, 6, pela 11ª vez na América do Sul. A prova deste ano será realizada exclusivamente no Peru. Em 11 dias, a disputa ficará concentrada nas regiões de Pisco, Arequipa e San Juan de Marcona. Serão 5,6 mil quilômetros.

Serão 534 pilotos e copilotos de 61 países nas motos, quadriciclos, carros, caminhões e SxS (espécie de buggies preparados especialmente para corridas). Destes, 11 brasileiros: nove nos SxS, categoria em que o Brasil conquistou o título no ano passado, com Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin, e dois nas motos. Um deles, gaúcho. Marcos Colvero, 46 anos, fará sua estreia no Dakar depois de boas experiências no Rally dos Sertões e de anos como piloto de motocross. O santa-mariense, que é empresário da construção civil em Porto Alegre, passou um ano treinando para "realizar o sonho" de participar da maior prova do mundo.

Colvero vai pilotar uma moto KTM 450 2019, réplica da versão usada pelo austríaco Matthias Walkner, atual campeão nas duas rodas e piloto da equipe oficial da fábrica holandesa. Ele também terá o apoio da espanhola X-Raid, um dos principais times na disputa. O gaúcho procurou se cercar dos melhores equipamentos e de especialistas para chegar o mais longe possível, sua principal meta para o rali.

O empresário curitibano do segmento de joias Lincoln Berrocal tem 60 anos. É um dos mais velhos na competição off-road. Ele ostenta dois títulos brasileiros de cross-country e várias conquistas nos paranaenses de velocross, cross-country e motocross. No entanto, não vinha participando de provas competitivas até decidir que tentaria o Dakar. O rally que será disputado no Peru exige oito horas de disputas diárias.

Sua rotina de treinos para a prova alternou exercícios em academia de três a quatro vezes na semana, com treinos com moto três vezes na semana. Ele também praticou ciclismo para melhorar a parte cardiovascular e descansou apenas um dia por semana. Para se habilitar para a prova off-road mais famosa do planeta, ele precisou enfrentar o Dakar Series, seletiva realizada em vários pontos do mundo. São provas que fazem parte do calendário mundial de rally cross-country. Na América do Sul, Berrocal disputou uma no Paraguai e duas na Argentina, mas não conseguiu completar nenhuma delas. Ele só pôde assegurar a vaga no Marrocos.


Roteiro do Rally Dakar 2019:

1ª etapa – Segunda-feira (7/1)
Lima/Pisco
Quilometragem total – 331 km
Trecho especial (cronometrado) – 84 km

2ª etapa – Terça-feira (8/1)
Pisco/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 553 km
Trecho especial (cronometrado) – 342 km

3ª etapa – Quarta-feira (9/1)
San Juan de Marcona/Arequipa
Quilometragem total – 798 km
Trecho especial (cronometrado) – 331 km

4ª etapa – Quinta-feira (10/1)
Arequipa/Tacna (1º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 664 km
Trecho Especial (cronometrado) – 405 km

5ª etapa – Sexta-feira (11/1)
Tacna/Arequipa (2º TRECHO DA ETAPA MARATONA)
Quilometragem total – 714 km
Trecho especial (Cronometrado) – 517 km

Descanso – Sábado (12/1)
Arequipa

6ª etapa – Domingo (13/1)
Arequipa/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 810 km
Trecho Especial (Cronometrado) – 309 km

7ª etapa – Segunda-feira (14/1)
San Juan de Marcona/San Juan de Marcona
Quilometragem total – 387 km
Trecho especial (cronometrado) – 323 km

8ª etapa – Terça-feira (15/1)
San Juan de Marcona/Pisco
Quilometragem total – 575 km
Trecho especial (cronometrado) – 360 km

9ª etapa – Quarta-feira (16/1)
Pisco/Pisco
Quilometragem total – 409 km
Trecho especial (cronometrado) – 313 km

10ª etapa – Quinta-feira (17/1)
Pisco/Lima
Quilometragem total – 359 km
Trecho especial (cronometrado) -112 km

TOTAL DA PROVA: 5.600 quilômetros
TOTAL DE ESPECIAIS: 3.096 quilômetros