Direto da Redação 23/02/2018 23h53 Atualizado às 10h06

Converse, é grátis

Se há uma realidade, é a de que todos os pensamentos ideológicos – à esquerda ou à direita, tanto faz – são cheios de contradições

Uma das frases que mais tenho lido nos últimos tempos é a tal “Pense, é grátis”. Funciona assim: nas redes sociais, esse universo histérico onde todos acreditam ser cidadãos implacáveis, alguém dispara algo, geralmente uma notícia, que constrange um grupo político com o qual não simpatiza ou contradiz uma opinião da qual não compartilha. O “Pense, é grátis”, que carimba essas postagens, é endereçado a quem apoia o tal grupo ou tem a tal opinião, como a convidá-lo a abrir os olhos e enxergar a realidade.

O que me incomoda na frase é que ela pressupõe, da parte de quem a enuncia, uma superioridade moral ou intelectual em relação aos demais. A ideia que está por trás dela é: se você pensa assim, não é porque tem suas convicções e exerce seu livre arbítrio, mas por uma carência de inteligência e discernimento; se isso não lhe faltasse, teria outro posicionamento. Em outras palavras: existe apenas um caminho ideológico destinado a pessoas esclarecidas e de bem, e se você não está nele, é porque é ignorante ou mau-caráter, e ponto final.

É realmente espantoso que tenhamos nos tornado autoritários a ponto de crer que o planeta se divide entre os inteligentes que querem o melhor para a sociedade e os trogloditas mal-intencionados que desejam condená-la. O tom das manifestações dentro das redes (mas cada vez mais fora delas também) é quase sempre nessa linha, anulando a possibilidade da discordância e fechando-se para as vozes dissonantes (que, sorte nossa, sempre existem). Nunca se falou tanto em tolerância às diferenças (de gênero, raça, credo religioso e orientação sexual, por exemplo) mas, ao mesmo tempo, tornamo-nos mais inflexíveis e pregadores de verdades incontestáveis.

Só o fato de a frase ser usada em diferentes contextos, por pessoas de linhas de raciocínio totalmente distintas, já é o sinal de que a pretensa “realidade” (aquela de quem diz “pensar”) é absolutamente relativa. Mas ao invés de reconhecermos isso para ter um debate público mais saudável e civilizado, preferimos ficar nesse duelo retórico arrogante – que, obviamente, é muito mais fácil de levar. Uma pena.

Se há uma realidade, é a de que todos os pensamentos ideológicos – à direita ou à esquerda, tanto faz – são cheios de contradições quando examinados bem de perto, e a opinião mais arejada é aquela que consegue levar em conta essas contradições. A liberdade de defender um modelo de mundo é um postulado da democracia, mas não significa que, para isso, precisemos segregar as pessoas de acordo com suas crenças.

Lembremos: conversar também é grátis. E faz bem.