Vera Cruz 24/11/2018 01h17 Atualizado às 08h36

Sob ameaças, suspeito de estupro estaria escondido

O homem teria sumido após ter nome e foto divulgados em grupos de WhatsApp, que também espalham ameaças

Após ter o nome e uma foto divulgados em grupos de WhatsApp, o principal suspeito de ter estuprado uma adolescente de 15 anos na última terça-feira, em Vera Cruz, não foi mais visto pelo município. A Polícia Civil suspeita que o homem, que vinha colaborando com as investigações – tendo inclusive cedido material biológico para exame de DNA –, esteja com medo de sofrer represálias. Ele também estaria sendo ameaçado por uma facção criminosa, que teria espalhado áudios o ameaçando de morte.

OUÇA: ÁUDIO: facção estaria ameaçando suspeito de estuprar adolescente

“Ele saiu de circulação. Acreditamos que esteja escondido, com medo dessas ameaças feitas nas redes sociais”, contou o delegado Paulo Schirrmann. O caso está sendo tratado com prioridade máxima pela Polícia Civil de Vera Cruz, que aguarda o resultado do exame de DNA feito pelo laboratório forense do Instituto Geral de Perícias (IGP), em Porto Alegre, para confirmar a autoria do crime. Segundo o delegado, a vítima tem convicção de quem é o homem que a atacou, mas o suspeito nega ter agredido e estuprado a jovem.

 “O suspeito afirma que o resultado do exame, que vai cruzar o sangue dele com uma amostra coletada no corpo da vítima, vai provar que ele é inocente”, comentou Schirrmann. O homem, de 22 anos, já era conhecido na comunidade e nos meios policiais por cometer outros tipos de crime, como furtos e roubos, mas nunca foi acusado de estupro antes. “Além da vítima e do acusado, nós também ouvimos outras pessoas e estivemos no local do crime em busca de novos elementos. Agora precisamos aguardar essa perícia técnica (o exame de DNA), mas acredito que até a semana que vem já teremos encerrado o caso e prendido o culpado.” Por enquanto, a polícia mantém em sigilo o nome do suspeito.

A ameaça da facção

Desde essa quinta-feira, circulam em grupos de WhatsApp pelo menos dois áudios e uma foto que seria do suspeito. O conteúdo, com ameaças de morte ao acusado, teria sido divulgado por membros da facção Os Manos – que desde 2013 comanda o tráfico no Vale do Rio Pardo. As mensagens de áudio, cada uma com pouco mais de 20 segundos, pedem que os comparsas da facção “passem a visão em todas as quebradas” em busca do homem e informem a localização dele.

O autor da mensagem afirma que o suposto estuprador está sendo “procurado por mais de 50 mil manos” e “tem uma legião atrás dele”. Ele diz ainda que irão “picar” o suspeito e “colocar uma parte em cada canto da cidade”. O delegado afirma que teve acesso aos áudios e não descarta a possibilidade de serem verdadeiros. “É muito provável que tenham sido mesmo enviados pelos membros dessa facção. Por se tratar de um estupro, o suspeito corre risco estando solto ou preso”, comentou Schirrmann.

Entenda o caso

Na manhã da última terça-feira, uma adolescente de 15 anos foi abordada por um homem armado com uma faca enquanto caminhava para a escola. Ela foi obrigada a caminhar cerca de 800 metros, sob a ameaça de que seria morta, até um loteamento desabitado nas proximidades do educandário, que fica no Bairro Boa Vista, em Vera Cruz. No fim de uma rua sem saída, adentrando um matagal, o homem golpeou a menina na cabeça com um pedaço de madeira, deixando-a inconsciente. Em seguida, ele a estuprou, amarrou-a e foi embora deixando a jovem ainda desacordada, vestindo apenas o sutiã. Quando ela acordou, pediu ajuda a trabalhadores de uma obra nas proximidades e foi levada para atendimento médico, onde o abuso sexual foi constatado. Apesar do abalo físico e emocional, a vítima passa bem.

LEIA MAIS: Polícia já tem o DNA do principal suspeito de ter estuprado adolescente