Operação Caput 21/12/2018 11h58 Atualizado às 12h54

Polícia investiga se mortes na região têm ligação com quadrilha

Bando roubava e matava para fomentar o tráfico de drogas em Santa Cruz e Rio Pardo

As armas apreendidas na ação deflagrada pela Polícia Civil nesta manhã podem ajudar na investigação de homicídios cometidos em Santa Cruz do Sul e Rio Pardo. A expectativa é tentar descobrir se o grupo seria responsável pela morte de Tassiano Ezequiel do Amaral, de 28 anos, encontrado já sem vida às margens da BR-471, e pelo homicídio de Fabiano da Rosa, de 38 anos, morto a tiros no Bairro Castelo Branco.

A investigação da polícia começou a partir da prisão de um homem com armas e touca ninja. Conforme o titular da 2ª Delegacia de Polícia (DP), delegado Alessander Zucuni Garcia, a polícia tinha suspeitas de que o criminoso participaria de um roubo. Dias depois, um grupo cometeu um assalto em Mato Leitão e, na sequência, aconteceram os homicídios de Amaral, em setembro, e de Rosa, em outubro. "Todos os roubos e homicídios cometidos pelo bando eram para fomentar o tráfico", explica o delegado.

A polícia conseguiu identificar 15 membros da facção criminosa, que atua em Santa Cruz do Sul e Rio Pardo. O líder seria Jeferson Juliano Vedoi, que cumpre pena no Presídio Regional de Santa Cruz e estaria comandando os crimes de dentro da cadeia. Na ação desta manhã três homens foram presos, um menor apreendido e três detentos notificados.

LEIA MAIS: Operação contra tráfico prende três; líder coordenava crimes dentro do presídio