Quatro baleados 06/09/2019 22h53 Atualizado às 14h33

Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente investiga ataque a jovens no autódromo

Caso ficou sob responsabilidade da equipe porque uma das vítimas é adolescente. Delegada diz que polícia “está no caminho”

A investigação do ataque a tiros que deixou quatro jovens feridos no acesso ao Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul, na madrugada do domingo passado, está sob a responsabilidade da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). O caso foi repassado para a especializada por ter um menor de idade entre as vítimas. Inicialmente, o crime seria investigado pela 2ª DP, que cuida dos casos da Zona Sul.

O delegado Alessander Garcia, titular da 2ªDP, informou no início da semana que ainda não havia suspeitos do crime e nenhuma hipótese estava sendo descartada pela polícia. Por sua vez, a delegada Ana Luisa Aita Pippi, que comanda temporariamente a DPCA, preferiu manter os detalhes sobre o curso da investigação em sigilo. “Estamos no caminho”, resumiu.

Ao longo da semana, a reportagem da Gazeta do Sul também procurou as vítimas do atirador.  Uma das jovens atingidas, que pediu para não ter o nome revelado, informou que não sabe quem é o bandido ou de onde os tiros partiram. “Eu fui apenas uma vítima de bala perdida. Eu estava no lugar errado e na hora errada.”

O crime aconteceu na Avenida Rudi Falk, por volta de 3h50, quando um homem chegou ao local em uma Renault Duster, desceu do carro usando um capacete de motociclista e disparou contra um grupo de amigos, que estava reunido no local. Foram atingidas duas moças de 21 e 22 anos, e dois rapazes de 16 e 23 anos. O casal de 21 e 23 foi liberado do Hospital Santa Cruz ainda no domingo, e os outros seguiram internados. Não foram mais divulgadas informações sobre o estado de saúde deles.

LEIA MAIS: Atirador fere quatro pessoas no Autódromo de Santa Cruz