Latrocínio 29/01/2020 22h13 Atualizado às 23h18

Polícia investiga morte de DJ santa-cruzense em Santa Catarina

Paulo Giovani Teixeira Gonçalves teria sido morto por um adolescente após uma festa

Paulo Giovani Teixeira, de 35 anos, foi encontrado morto em Camboriú, Santa Catarina, na última segunda-feira, 27. Natural de Santa Cruz do Sul, Paulinho DJ, como era conhecido, morava em Porto Belo e saiu de casa na quinta-feira, 23, para encontrar amigos na praia Brava, em Itajaí, também em Santa Catarina. Já na madrugada de sexta-feira, 24, ele teria dado carona a um amigo e a um adolescente na saída de uma festa, em Camboriú.

Segundo a Polícia Civil, Paulinho levou o amigo para casa e depois deixaria o garoto. Desde então, o DJ não tinha mais sido visto. Por volta das 7h de sexta-feira, ele teria enviado uma mensagem para a mãe onde dizia que iria dormir na casa de um conhecido. O carro foi encontrado horas depois pela polícia, abandonado no Centro de Camboriú. Os documentos foram achados no domingo, 26, no Bairro Areias, no mesmo município.

A família chegou a divulgar apelos nas redes sociais em busca de informações sobre o santa-cruzense que, além de DJ, atuava como motorista de aplicativo. O corpo acabou localizado na segunda-feira, 27, em uma área de difícil acesso no interior de Camboriú, na localidade conhecida como Vila da Pedra.

O delegado Regional de Camboriú, Fábio Moreira Osório, trabalha com a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte). Um adolescente de 16 anos foi apreendido e é o principal suspeito do crime. Foi ele quem indicou à Polícia Militar o local onde estava o corpo do DJ. O relatório preliminar indica que Paulinho foi vítima de asfixia, possivelmente por um golpe do tipo “mata-leão”. Ele também teria sido atingido por uma pedra no rosto.

O corpo foi sepultado no fim da manhã dessa terça-feira, 28, em Porto Belo, Santa Catarina, onde ele residia atualmente com a família.