Desvios na saúde 04/06/2020 12h08 Atualizado às 15h02

Entre bens e dinheiro, apreensões na Operação Camilo chegam a R$ 5 milhões

Ação resultou na prisão do prefeito de Rio Pardo, Rafael Barros, e de mais 14 pessoas

A Polícia Federal (PF) realizou o bloqueio judicial de aproximadamente R$ 3,5 milhões em contas bancárias dos investigados e das empresas envolvidas na Operação Camilo. A ação resultou na prisão de 15 pessoas, dentre elas, o prefeito de Rio Pardo, Rafael Barros.

Conforme a PF, com os valores em espécie apreendidos durante a operação (R$ 400 mil) e os 31 veículos recolhidos, estima-se que o montante totalize entre R$ 4,5 e R$ 5 milhões. O balanço foi divulgado nesta quinta-feira, 4. Os valores poderão retornar à União e ao Estado, havendo condenação judicial dos acusados.

LEIA MAIS: Defesa de Rafael Barros aciona STJ e STF para ter acesso a processo

A Polícia Federal também solicitou a prisão preventiva dos envolvidos, já que a temporária encerra nesta sexta-feira, 5. O assunto está em análise pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com sede em Porto Alegre. A operação analisa possíveis fraudes em contratos do setor de saúde. Um dos braços da investigação envolve a prefeitura de Rio Pardo. Ao todo, esquema teria desviado R$ 15 milhões no país.

LEIA MAIS
Rio Pardo tem novos secretários e anuncia medidas de contenção de gastos
VÍDEO: operação da Polícia Federal atinge a prefeitura e o hospital de Rio Pardo
Prefeito de Rio Pardo é preso em operação contra desvios na saúde
Prefeito de Rio Pardo tem prisão prorrogada