CIBERATAQUES 05/04/2021 07h58

Criminosos mudam táticas e vendem até vacina contra a Covid-19 na internet

As doses são oferecidas para compra por meio de perfis falsos. Bandidos usam o nome do Ministério da Saúde e das secretarias de Saúde para aplicar golpes pelo WhatsApp

O número de cibercrimes aumentou no Brasil durante a pandemia de Covid-19, com mais pessoas conectadas à internet. Os golpes virtuais já existiam, mas pode-se dizer que os criminosos atualizaram as suas táticas de atuação. Histórias de pessoas que sofreram golpes e dicas de como não cair nessas armadilhas foram mostradas no programa Caminhos da Reportagem, que foi ao ar nesse domingo na TV Brasil.

O Brasil é o quarto país mais afetado por ciberataques no mundo, de acordo com Fabio Assolini, analista sênior de segurança da empresa Kaspersky, especializada em segurança para a internet. Para se ter uma ideia, mais de 5 milhões de brasileiros foram vítimas de crimes de clonagem de WhatsApp em 2020, segundo a PSafe, empresa de segurança digital.

A jornalista Michelle Souza, de Brasília, foi uma das vítimas de golpe. Ela conta que estava trabalhando e conversando com alguns contatos pelo WhatsApp quando recebeu uma ligação. Era uma pessoa fazendo um convite para um evento. Michelle seguiu as instruções que eram passadas pelo telefone: clicou em um link, que gerou um código por SMS e informou o código à pessoa. E o WhatsApp fechou na hora.

LEIA TAMBÉM: Cinco suspeitos de estelionato foram presos nos últimos três dias na região

O conhecido golpe de WhatsApp funciona geralmente como aconteceu com Michele: o golpista engana a vítima, para que ela informe um código curto recebido por SMS e, com esse código curto, consegue ativar o WhatsApp da pessoa em outro aparelho. Assim, começa a interagir com os contatos dela, simula uma situação de emergência e pede dinheiro emprestado. “Eu nunca esperava cair numa situação como essa. As pessoas começaram a me ligar, foi tudo muito rápido, coisa de menos de cinco minutos.”

Quando o golpista pediu dinheiro em nome de Michelle, um amigo dela não imaginou que poderia ser um golpe e transferiu cerca de R$ 6 mil. “Eu, no afã de ajudar, nem pensei que poderia ser outra pessoa que estava no lugar dela”, disse o chef de cozinha Simei Noronha.

O presidente da SaferNet Brasil, Thiago Tavares, explica que todas as redes sociais, as plataformas de e-mail e os mensageiros instantâneos, como WhatsApp e Telegram, contam com um recurso que permite ativar um segundo fator de autenticação para comprovar que você é você mesmo. “Isso resolveria 95% das tentativas de golpes, por exemplo, em redes sociais e aplicativos de mensagens. Mas pouca gente ainda utiliza o segundo fator de autenticação. Quanto mais gente utilizar, maiores serão as dificuldades desses criminosos.”

LEIA TAMBÉM: Polícia Civil alerta para golpes mais comuns pelo WhatsApp

E como os golpes costumam ser atualizados, um dos temas do momento é a vacina contra a Covid-19. Tem gente usando o nome do Ministério da Saúde e das secretarias de Saúde para aplicar golpes pelo WhatsApp. Criaram, por exemplo, um perfil falso do secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, também presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). “O golpista dizia: ‘sobraram algumas doses do lote das vacinas. Você não quer adquirir para o seu município? E pedia um valor para que fizesse a entrega. Obviamente absurdo. As doses de vacina são públicas, são gratuitas”, afirma o secretário.

LEIA TAMBÉM: Polícia prende mulheres por golpe do falso depósito em Santa Cruz

Imagens íntimas
Neste momento de pandemia, houve também um aumento de crimes relacionados à honra, à imagem e à dignidade das pessoas, segundo a SaferNet Brasil, que citou ainda um pico de casos envolvendo vazamento de imagens íntimas de nudez. Também neste momento de pandemia, aumentou em 400% o número de reclamações por vendas online, segundo o presidente do Procon de São Paulo, Fernando Capez. “Um número significativo dessas reclamações era de golpes”. Para que os brasileiros não sejam tão afetados pelas fraudes virtuais, uma das saídas apontadas pelos especialistas passa pela educação. Há escolas onde a educação digital faz parte do currículo.

LEIA TAMBÉM: ‘Golpe dos nudes’ faz novas vítimas em Sinimbu e preocupa a Polícia Civil


MAIS LIDAS