Denúncia contra Temer 02/08/2017 09h23 Atualizado às 09h58

Saiba como votaram os deputados federais da região

Apenas Sérgio Moraes, do PTB, se posicionou a favor do presidente Michel Temer

ATUALIZADO ÀS 19 HORAS

A Câmara dos Deputados decide nesta quarta-feira, 2, se aceita ou não a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer pelo crime de corrupção passiva. Desde as 9 horas, a Casa discute o assunto. Os três deputados do Vale do Rio Pardo votaram no final da tarde, por volta das 18h30.

Apenas um se posicionou a favor de Michel Temer, o deputado Sérgio Moraes do PTB. Heitor Schuch, do PSB, já havia declarado que as irregularidades precisam ser apuradas e votou contra Temer. Já Luis Carlos Heinze, do PP, se esperava que votaria a favor do presidente, mas surpreendeu e também se posicionou pelo 'não'.

Saiba como cada um votou:

Heitor Schuch (PSB): contra Temer
O santa-cruzense afirmou que as supostas irregularidades atribuídas ao presidente precisam ser apuradas. Ele alegou que autorizar a investigação contra Temer não significa condená-lo e que isso dependerá do Supremo Tribunal Federal (STF). “Abrir um processo e esclarecer as coisas é um princípio básico do regime democrático. Se não há transparência, é ditadura”, disse.

Luis Carlos Heinze (PP): contra Temer
O deputado não havia sido localizado nesta terça-feira para comentar, mas declarou várias vezes a sua decisão de votar pela rejeição da denúncia. No entanto, durante a votação na tarde desta quarta ele se posicionou contra Temer.

Sérgio Moraes (PTB): a favor de Temer
O petebista alegou que seu voto não foi em defesa de Temer, mas porque acredita que uma nova troca na Presidência seria prejudicial ao Brasil. Sérgio afirma que, mesmo se a denúncia for rejeitada, Temer poderá ser investigado depois. Ele negou ter sido procurado pelo governo para tratar de voto. “Meu voto será por convicção e não porque fui convidado para tomar cafezinho, até porque nunca fui. Todos os dias me ligam empresários pedindo para manter o Temer porque agora as coisas começaram a melhorar”, afirmou.