Justiça 08/11/2019 16h38 Atualizado às 21h32

Lula deixa a prisão em Curitiba após decisão do STF

O ex-presidente ficou preso um ano e 7 meses e foi beneficiado por decisão do Supremo que reconhece o direito de réus responderem a recursos em liberdade

Lula discursou para 580 militantes em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba, ao lado de Gleisi Hoffmann e Fernando Haddad, na tarde desta sexta-feira, 8, ao deixar a prisão, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). “Vocês não têm dimensão do significado de eu estar aqui”, disse. E partiu para o ataque na sequência. “Vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir. Não poderia ir embora daqui sem cumprimentar vocês”, complementou.

O ex-presidente afirmou que a sua prisão foi resultado de um “lado podre” do Estado brasileiro, “da Justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal e da Receita Federal”, que, segundo o presidente, “trabalhou para tentar criminalizar a esquerda, o PT e o Lula”. “O lado mentiroso da PF que fez inquérito contra mim, o lado canalha do MP e da força-tarefa.”

“Se pegar o (Deltan) Dallagnol (chefe da força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba), o (Sergio) Moro (ex-juiz da Lava Jato) e alguns delegados, enfia e bate num liquidificador. O que sobrar não é dez por cento da honestidade que eu represento nesse País. Eles têm que saber que caráter e dignidade não é uma coisa que a gente compra em shopping center, em feira ou no bar”, discursou o presidente.

“O Moro tem que saber uma coisa: não prenderam um homem. Tentaram matar uma ideia, mas uma ideia não desaparece”, disse Lula, retomando as ideias da sua fala no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC logo antes de ser preso em abril de 2018.

O presidente também fez críticas a veículos de imprensa. “Eu quero lutar para provar que se existe uma quadrilha e um bando de mafioso é essa maracutaia, liderada pela Rede Globo.” Lula ainda afirmou que “não tem mágoas” nem dos policiais federais, nem dos carcereiros.

LEIA MAIS: Por 6 a 5, STF decide contra prisão após condenação em segunda instância

No seu discurso após ser solto da carceragem em Curitiba, o ex-presidente Lula agradeceu aos seus seguidores. “Não importa que estivesse chovendo, estivesse 40ºC ou 0ºC. Todo santo dia vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir”. “Eu não pensei que poderia estar aqui, conversando com homens e mulheres, que durante 580 dias gritaram: ‘Bom dia, Lula’, ‘boa tarde, Lula’ e ‘boa noite, Lula’.

Entre os agradecimentos, teve destaque o ex-prefeito de São Paulo e candidato do PT às eleições de 2018, Fernando Haddad. Segundo Lula, Haddad teria ganho a Presidência da República “se não tivesse sido roubado”. Lula também homenageou a atuação de Haddad como ministro da Educação entre 2005 e 2012. “Para quem teve um ministro da Educação da qualidade do Haddad, colocaram um ministro que quer destruir a nossa universidade”, disse em referência ao atual mandatário da cadeira, Abraham Weintraub.

Lula também “apresentou” a sua namorada, a socióloga Rosangela da Silva. Aos gritos de “beija! beija!” de quem acompanhava a soltura do ex-presidente, Lula disse: “Eu consegui a proeza de, mesmo preso, arrumar uma namorada, me apaixonar e ela aceitar casar comigo”. “Saio daqui aos 74 anos e meu coração só tem espaço para o amor porque o amor vai vencer nesse País.”

No palco montado, acompanharam a fala a presidente nacional do partido, a deputada Gleisi Hoffmann, o ex-senador Lindbergh Farias e o ex-deputado e advogado Wadih Damous. Lula também agradeceu e elogiou a atuação de seus advogados, em especial, Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins.

Com a soltura de Lula, o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua se organizam para turbinar os protestos chamados para este sábado, 9. Os atos estão marcados em mais de cem cidades, segundo integrantes dos grupos. No Estado, serão em 11 municípios. O Vem Pra Rua, que tem organizado atos em defesa da “Lava-Toga” (tentativa de criar uma CPI para investigar autoridades de tribunais superiores no país), já havia marcado um protesto para este sábado antes mesmo do resultado no STF. Atos em defesa da prisão em segunda instância estavam agendados para o domingo, 3, mas foram transferidos por causa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Confira o histórico

Em janeiro do ano passado, a condenação de Lula, proferida em primeira instância pelo ex-juiz Sérgio Moro, foi confirmada e a pena aumentada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal, para 12 anos e um mês de prisão – 8 anos e 4 meses pelo crime de corrupção passiva e 3 anos e 9 meses pela lavagem de dinheiro. Em abril deste ano, a pena de corrupção foi reduzida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para 5 anos e seis meses, enquanto a de lavagem ficou em 3 anos e quatro meses, resultando nos 8 anos e 10 meses finais.

A ordem de soltura do petista foi dada às 16h15 desta sexta-feira pelo juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal de Curitiba, menos de 24 horas depois de o Supremo Tribunal Federal declarar inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância. Além de Lula, a decisão do STF deverá beneficiar outros condenados na Lava Jato, como os ex-deputados Eduardo Cunha, José Dirceu, além do e ex-executivos de empreiteiras.