Eleições 2020 20/11/2020 20h06

Abstenção nas urnas aumenta 33% no Vale do Rio Pardo

Em alguns municípios, número de eleitores que deixou de ir às urnas superou os votos do segundo colocado para prefeito

A abstenção nas eleições municipais deste ano aumentou 33,2% em relação ao pleito de 2016 no Vale do Rio Pardo. Enquanto a média registrada no domingo nos 28 municípios da região atingiu 11,7% de eleitores que não foram às urnas, há quatro anos o índice foi de 8,78%.

Embora o voto seja obrigatório no Brasil, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recomendou que os eleitores que estivessem com febre no domingo, um dos sintomas da Covid-19, ou que tivessem sido diagnosticados com o vírus nos 14 dias anteriores à data, evitassem ir às urnas, como forma de reduzir os riscos de contágio das outras pessoas. Apesar da recomendação, não houve proibição legal que impedisse o comparecimento de eleitores com sintomas.


Em alguns municípios da região, o número de eleitores que deixou de ir às urnas para votar superou os votos de candidatos que ficaram em segundo lugar na disputa pela Prefeitura. Em Rio Pardo, por exemplo, houve 7.051 abstenções, enquanto Ricardo Figueiró (PTB) fez 6.068 votos. Em Santa Cruz do Sul, 22.500 eleitores não votaram e Mathias Bertram (PTB) fez 18.331 votos. Os percentuais mais altos ocorreram em Rio Pardo (23,64%) e Santa Cruz do Sul (21,76%), enquanto os menores foram em Ibarama (4,92%), Estrela Velha (5,61%), e Tunas (5,66%).

LEIA TAMBÉM: ‘Governo está disposto a transição pacífica’, diz secretário de Comunicação

Os índices de abstenções, no entanto, foram ainda maiores em outras regiões. Em Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB) fez 200.280 votos e Manuela d’Ávila (PCdoB) obteve 187.262. Mas o que chamou a atenção foram as abstenções, com 358.217 eleitores (33,08% dos aptos), maior que a votação individual dos dois candidatos que vão disputar o segundo turno das eleições para definir o futuro prefeito da capital. Em Rio Grande, Fábio Branco (MDB) foi eleito com 43.952 votos, enquanto as abstenções somaram 45.862 (29,73% dos eleitores aptos).


O percentual de votos brancos também dobrou na eleição deste ano em relação a 2016 no Vale do Rio Pardo. A principal causa da elevação foram os três municípios onde houve apenas uma chapa na disputa pelo comando da Prefeitura, enquanto há quatro anos isso ocorreu apenas em Estrela Velha. A média nos 28 municípios na eleição de domingo foi de 4,6% de votos brancos, enquanto em 2016 foi de 2,23%. Já os nulos para prefeito diminuíram este ano. A eleição de domingo registrou a média de 3,16% nos 28 municípios da região, enquanto em 2016 fechou em 5,09%.

LEIA MAIS: Vice-prefeito eleito vai coordenar transição de governo

Destaques

Abstenção – maiores índices

Rio Pardo (23,64%) e Santa Cruz do Sul (21,76%).

Abstenção – menores índices
Ibarama (4,92%), Estrela Velha (5,61%) e Tunas (5,66%).

Votos brancos – maiores percentuais
Lagoão (39%) e Segredo (36,35%).

Votos brancos – menores percentuais

Ibarama (0,39%) e Herveiras (0,58%).

Votos nulos – maiores percentuais
Segredo (14,01%) e Mato Leitão (13,9%).

Votos nulos – menores percentuais
Passa Sete (0,65%) e Ibarama (0,68%).

LEIA TAMBÉM: Helena Hermany é eleita prefeita de Santa Cruz do Sul