Declaração 11/07/2018 15h51 Atualizado às 16h20

“Racismo não é brincadeira, é crime”, diz antropóloga sobre caso da Unisc

O diálogo é a melhor forma de enfrentar o preconceito, conforme Josiane Abrunhosa Ulrich

Foto: Reprodução/Facebook

Frases foram encontradas por estudante da universidade
Frases foram encontradas por estudante da universidade

Os recentes casos de racismo cometidos em um banheiro da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) reacenderam a discussão sobre o preconceito. No último sábado, 7, o estudante Jonatan Pacheco, de 21 anos, denunciou frases racistas escritas em portas do banheiro masculino do bloco 13 da instituição.

Depois de a Unisc pintar as portas do sanitário, apagando as declarações, a mensagem discriminatória foi novamente escrita no local. Conforme a antropóloga Josiane Abrunhosa Ulrich, esses casos não podem ser debatidos como simples piadas. “Racismo não é brincadeira, é crime”, afirmou em entrevista à Rádio Gazeta nesta quarta-feira, 11.

Foto: Reprodução/FacebookLogo após a pintura das portas, frases foram escritas novamente
Logo após a pintura das portas, frases foram escritas novamente

 

Ela comenta, ainda, que neste caso o ato foi covarde. “Foi feito num banheiro, onde não tem câmeras, um espaço covarde, às escondidas. A ideia é ofender, discriminar, provocar, e isso tem que ser coibido.” Essa coibição, segundo ela, precisa ser feita através do diálogo e, é claro, da denúncia.

“Todo ato racista tem que ser repudiado, trazido a público, para que casos como esse não se repitam”, ressaltou. A antropóloga pontuou, durante a entrevista, que o racismo precisa ser enfrentado com debates, desconstrução de ideias e “uma política contínua de conscientização da população.”

Foto: Naiara SilveiraAntropóloga avalia atos como
Antropóloga avalia atos como "covardes"

 

As redes sociais, nessas situações, podem atuar de duas formas, de acordo com Josiane. O discurso de ódio, negativamente, e o espaço de conversa, positivamente. Nesse sentido, é importante que sejam criadas possibilidades de diálogo para que o tema seja debatido e enfrentado.

LEIA MAIS