Telefonia móvel 08/11/2018 00h24 Atualizado às 11h04

Sinal da Vivo é restabelecido após deixar clientes da região na mão

Celulares da operadora que detém mais da metade do mercado pararam no meio da tarde e problema avançou pela noite

A operadora responsável por aproximadamente 60% das linhas de telefone celular em Santa Cruz do Sul e região ficou pelo menos dez horas fora de operação nessa quarta-feira. O sinal da Vivo caiu por volta das 15 horas e foi restabelecido apenas por volta de 1h30 desta quinta-feira na área central de Santa Cruz. O resultado foi uma série de transtornos na vida dos clientes. 

LEIA MAIS: Por que a Vivo está sem sinal em Santa Cruz do Sul?

Para a industriária Marlise Maria Fengler a pane na Vivo trouxe apreensão. Ela ficou sem notícias da nora, que está internada para dar à luz. Já na loja de móveis onde trabalha a comerciária Denise Maria Bakkar o problema foi com o agendamento das entregas de móveis e eletrodomésticos. Moradora de Vera Cruz, onde o problema também foi sentido, a maquiadora Glaucia Tochetto Forster acredita ter perdido negócios. Ela também não conseguiu contato com o consultório médico para onde tentou ligar cinco vezes durante a tarde.

Foto: Heloísa PollMarlise ficou apreensiva, sem ter como receber notícias sobre o nascimento do neto
Marlise ficou apreensiva, sem ter como receber notícias sobre o nascimento do neto

 

O motorista Caio Flávio Jacobus percebeu que estava incomunicável quando passava por Venâncio Aires. Dono de um guincho, ele só conseguiu acessar o WhatsApp e se comunicar com clientes quando voltou para a empresa, onde tem rede de internet sem fio. “Com certeza perdi serviços”, afirma. Muita gente que precisava ligar recorreu às chamadas via internet.

O serviço de táxi de Santa Cruz também sofreu as consequências da pane na Vivo. Conforme a Associação Radiotaxi, desde o meio da tarde as chamadas geradas para o serviço tiveram que ser direcionadas para o telefone fixo da associação. O aplicativo DTaxi ficou fora de operação porque a maioria dos taxistas estava incomunicável. Até o fim da noite dessa quarta-feira o serviço operava apenas pelo 3715 1166.

Serviços de telentrega também tiveram dificuldades durante a noite. Na Pizzaiollo, a comunicação entre a pizzaria e os motoboys ficou prejudicada, atrasando alguns serviços. O número de pedidos também caiu abaixo da média para uma quarta-feira. Na central de pedidos da Dog Center o problema foi outro. “As máquinas de cartão têm chip da Vivo e, por conta disso, tivemos que avisar todos os clientes que ligaram que não poderíamos atender a pedidos com pagamento no cartão”, disse o atendente Anderson Braga.

O QUE CAUSOU A PANE?

Queda de sinal como a registrada desde o meio da tarde dessa quarta-feira em Santa Cruz do Sul e região é muito incomum. Embora lidere as reclamações quanto à qualidade do serviço, a Vivo costuma ter sempre o sistema ativo na região e, quando cai, é restabelecido de forma ágil. A operadora é a que possui o maior número de estações de radiobase e afirma estar investindo em melhorias na cidade.

Por meio de nota, a empresa informou que a pane foi provocada pelo rompimento de um cabo de fibra óptica que teria sido atingido durante a poda de uma árvore. O ponto onde houve o incidente era incerto até mesmo para técnicos da empresa ouvidos de forma extraoficial pela Gazeta na noite dessa quarta.

A falta de clareza na explicação das causas do problema levantou dúvidas sobre o real motivo da pane. Especialistas em fibra óptica ouvidos pela reportagem disseram que o sistema da Vivo é robusto e que mais de uma rota atende a região, ou seja, se a fibra rompe em determinado ponto, outra linha está ativa e supre a demanda.

Rompimentos simultâneos em mais de uma parte do chamado “anel” da rede seriam quase impossíveis de acontecer. Técnicos de outras empresas da área que utilizam redes semelhantes à da Vivo garantem que não foram notificados sobre nenhum tipo de rompimento ao longo do dia. E dizem que seria relativamente fácil descobrir onde houve o problema para providenciar a chamada “fusão” dos cabos. “Os rompimentos de rede são relativamente comuns, mas geralmente as pessoas não percebem justamente devido às rotas alternativas. E quando ocorrem, os rompimentos são resolvidos em minutos ou no máximo uma ou duas horas”, disse um experiente técnico do ramo na região.

A pane dessa quarta-feira atingiu também os clientes de telefone e internet fixos da Vivo (antiga GVT). No entanto, logo o serviço foi normalizado.