Mobilização 05/02/2019 08h22 Atualizado às 13h44

Funcionários de fábrica de barcos realizam protesto em Santa Cruz

Segundo os manifestantes, após uma proposta de demissão em massa, ainda no ano passado, agora a direção da Cimitarra Yachts estaria sugerindo a assinatura de uma rescisão retroativa

Os rumores de que a Cimitarra Yachts deve encerrar as atividades no município e se transferir a Itajaí, em Santa Catarina, têm preocupado os cerca de 160 funcionários. Durante a manhã e a tarde de ontem, um grupo protestou em frente à empresa, no Distrito Industrial de Santa Cruz do Sul. Segundo os manifestantes, após uma proposta de demissão em massa, ainda no ano passado, agora a direção estaria sugerindo a assinatura de uma rescisão retroativa, além do parcelamento dos direitos trabalhistas.

Os trabalhadores também afirmam que a empresa não estaria arcando com o pagamento de horas extras e o reembolso de viagens realizadas, inclusive, para outros estados brasileiros. Disseram ainda que a Cimitarra não teria mais matéria-prima para terminar outros sete barcos, ainda em produção no local, e que teria retirado ferramentas da fábrica.

Procurado pelos funcionários, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção e Mobiliário deve realizar uma reunião com a direção da empresa na próxima segunda-feira para tratar do assunto. Segundo o diretor Jacson Pappis, no entanto, a entidade sindical não tinha conhecimento sobre o assunto até a manhã de ontem, quando foi acionada pelos trabalhadores, e também não concorda com o parcelamento. De acordo com uma funcionária, o Sindicato dos Metalúrgicos também ofereceu ajuda durante a tarde.

Procurada pela Gazeta do Sul, a direção da empresa negou o encerramento das atividades na região e afirmou estar apenas procurando um novo local para se estabelecer, dentro do Vale do Rio Pardo. Nesta quinta-feira, 7, o setor jurídico da empresa se manifestou sobre o caso. Confira a nota na íntegra:

"Contrariamente ao alegado em matéria publicada em 05 de fevereiro de 2019, a empresa Mecânica Naútica Vera Cruz Eirelli, não irá encerrar suas atividades, mas sim fez um novo planejamento administrativo no sentido de reduzir as operações, se adequando a nova realidade econômica do país. Assim tendo em vista redução das operações, consequentemente se obrigou a reduzir 90% do quadro de funcionários.

Destaque-se que a empresa não se transferirá para outro estado e tampouco foi vendida. Esclarece-se ainda que pagará 100% de todos os direitos dos funcionários demitidos."


Antes instalada em Vera Cruz, a Cimitarra chegou ao município em 2015. Sua fundação, porém, ocorreu muito antes, em 1999. A empresa é conhecida pela produção de barcos de luxo, com clientes também em outros países.

SAIBA MAIS

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, César Cechinato, lembra que em 2014 a Cimitarra já cogitava se transferir para Santa Catarina devido às diferenças de alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) entre os dois estados e também devido à maior proximidade de Santa Catarina com seus principais mercados, como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A mudança, portanto, diminuiria os custos de logística.

A empresa também buscava melhores condições de infraestrutura predial e de fornecimento de energia. Para manter a Cimitarra e os empregos, a Prefeitura de Santa Cruz viabilizou esforços conjuntos para atender a suas necessidades. Concedeu, inclusive, benefícios previstos na legislação municipal pelo prazo de 36 meses. Os subsídios, no entanto, não teriam sido usufruídos. Cechinato pretende procurar a direção da empresa hoje para tomar conhecimento da situação.