Santa Cruz 07/02/2019 06h24 Atualizado às 09h07

Buracos e elevações causam transtornos em trecho da BR-471

O problema é percebido há praticamente dois meses na parte urbana

Um dos principais acessos ao Centro de Santa Cruz sofre com as más condições da BR471. No Bairro Várzea, motoristas precisam redobrar a atenção para trafegar pelo ponto junto à sinaleira, no entroncamento com a Rua Coronel Oscar Jost. Por lá, buracos e elevações em ambos os sentidos complicam o trânsito. De acordo com trabalhadores das proximidades, o problema é percebido há praticamente dois meses. As imperfeições já teriam sido responsáveis por casos de veículos com pneus furados e até mesmo por acidentes.

Próximo à Germani Alimentos, o asfalto também apresenta trechos críticos. Conforme o secretário de Obras e Infraestrutura, Leandro Kroth, até o fim de fevereiro a Prefeitura deve receber novo maquinário, como parte dos investimentos de R$ 5 milhões para o setor, anunciados no fim do ano passado. Com isso, a projeção é que uma intervenção global seja realizada no local somente no fim de março, quando o trânsito será desviado por uma via lateral.

Kroth acredita, porém, que o principal motivo para a situação da estrada é o excesso de carga de alguns caminhões. “É importante que os governos estadual e federal voltem a utilizar as balanças. Não existe fiscalização. Não temos como saber com quantas toneladas eles estão trafegando.” A mesma situação, de acordo com ele, pode ser observada na Avenida Melvin Jones, onde o asfalto é ainda mais novo. “Ele já apresenta buracos, apesar de ter sido feito em cima de rocha. Mas na BR-471 é em solo de várzea, o que torna o local mais suscetível à formação de buracos”, explica.

Conforme o secretário, no entanto, permanentemente são realizadas operações tapa-buracos no trecho urbano, municipalizado em 2014. A última grande intervenção junto à sinaleira da Oscar Jost ocorreu em 2016, quando foi construído o novo trevo.