Cuidados 07/02/2019 15h59 Atualizado às 19h54

Picada de lacraia mata? Saiba o que fazer se for vítima do inseto

Boato que circula em redes sociais relaciona morte de homem em Santa Cruz com a picada do animal

Verão também é sinônimo de insetos. Alguns bichinhos que você nem vê nas temperaturas mais frias aparecem em abundância no calor, levantando a questão: afinal, qual é o perigo que eles representam? A lacraia, que é um quilópode, tipo de animal que possui grande quantidade de pernas articuladas, surge quando o termômetro sobe. Você pode conhecer também como centopeia, é o mesmo animal. Apesar de parecer inofensivo, a lacraia é venenosa. 

Entretanto, são tantos os mitos que rodeiam os riscos de ser picado por uma lacraia, que circula pelos grupos de WhatsApp em Santa Cruz do Sul um boato relacionando a morte de um morador do município com a picada de uma centopeia. A mensagem, que é compartilhada nas redes sociais, narra que o homem estaria mexendo no jardim da casa onde mora quando foi picado.

A morte do homem citado nas mensagens realmente aconteceu. No entanto, a Secretaria de Saúde de Santa Cruz do Sul afirma que o óbito não teve relação alguma com o inseto. De acordo com o secretário de Saúde, Régis de Oliveira Júnior, o homem teria sido, sim, picado por uma lacraia, mas a notificação do caso aconteceu no dia 31 de dezembro - enquanto a morte aconteceu na madrugada desta quinta-feira, 7. O longo período leva a descartar a relação entre a picada e o falecimento. Em Santa Cruz do Sul, conforme a Secretaria de Saúde, foram registrados 106 casos de acidentes envolvendo animais peçonhentos em 2018, o que inclui a lacraia. 

Afinal, a picada mata?

Apesar de não ter sido o caso em Santa Cruz do Sul, existe a possibilidade da picada acarretar na morte de uma pessoa. No entanto, o professor do Departamento de Biologia e Farmácia da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Andreas Köhler, explica que a possibilidade é quase nula. “Como todos os animais que transmitem veneno, teoricamente a picada da lacraia pode matar, mas a probabilidade é muito pequena”, comentou.

Casos mais extremos podem acontecer principalmente quando a vítima tiver a saúde mais frágil - como crianças e idosos - ou quando há um quadro alérgico. Köhler explica que a reação alérgica acontece entre duas e três horas após a picada e pode causar produção de muco, que, caso chegue ao pulmão, gera risco de morte. Ainda é possível que ocorram quadros de parada cardíaca. “O veneno em si não mata, o que pode matar é a reação”, frisa o professor.

Como identificar a lacraia

As lacraias têm o corpo alongado, dividido em segmentos (geralmente entre 12 a 15 partes). A cabeça tem um par de antenas e duas garras de veneno. Cada segmento do corpo possui duas pernas. Dentre os mais de 30 tipos de lacraia, a espécie da centopeia que pode ser encontrada em Santa Cruz do Sul e região geralmente tem tons marrom ou esverdeado e o tamanho varia entre um e 15 centímetros, conforme o biólogo.

Como prevenir

As centopeias são animais noturnos, que se escondem durante o dia em espaços escuros. Por isso, é muito provável que sejam encontrados debaixo de pedras, folhas ou cascas de árvore. Nas casas, podem aparecer em hortas, canteiros ou jardins. O principal cuidado para se evitar uma picada é manter a atenção ao mexer em pedras ou folhas. Conforme Köhler, a utilização de luvas no jardim ou horta é suficiente para que o animal não consiga picar a pessoa.

O que fazer

Caso a prevenção não seja suficiente, a orientação do biólogo é de que a vítima procure atendimento médico. “Um dos problemas é que as pessoas esperam que apareçam sinais da picada, como o inchaço, mas é importante procurar um posto de saúde o quanto antes”, disse Köhler.

LEIA MAIS: Temperaturas altas do verão favorecem a proliferação de baratas